Só para assinantesAssine UOL

Vivo (VIVT3) aprova proposta de redução de capital e pretende distribuir dividendos aos acionistas

O conselho de administração da Telefônica Brasil, dona da Vivo (VIVT3), aprovou proposta de redução de capital de R$ 1,5 bilhão, sem cancelamento de ações de emissão da companhia, por meio de restituição do valor aos acionistas até o dia 31 de julho de 2024.

Segundo a Telefônica Brasil, a proposta precisa ser apreciada e deliberada em assembleia geral extraordinária (AGE).

A companhia informou que a operação de redução de capital social da Vivo objetiva aprimorar sua estrutura de capital, o que permitirá a flexibilização da alocação de seu capital, gerando equilíbrio entre sua necessidade de recursos e a geração de valor aos seus acionistas.

"Caso aprovada em assembleia geral extraordinária, a efetivação da redução de capital ora proposta estará sujeita ao decurso do prazo para oposição de credores de 60 (sessenta) dias contados a partir da publicação da respectiva ata", disse a dona da Vivo.

Também em comunicado nesta quarta-feira (8), a Telefônica disse que possui a intenção de realizar, no período que compreende os exercícios sociais de 2024 a 2026, a distribuição de recursos aos seus acionistas através de dividendos, juros sobre capital próprio, reduções de capital social e recompra de ações.

Telefônica Brasil (VIVT3) tem lucro de R$ 1,472 bilhão no 3T23, alta anual de 2,2%

A Telefônica Brasil teve um lucro líquido de R$ 1,472 bilhão no terceiro trimestre de 2023 (3T23), cerca de 2,2% mais alto que o domesmo período do ano passado.

Conforme reportado no balanço de resultados da Telefônica, esse lucro foi apoiado pelo avanço do Ebitda.

Ebtida ajustado da Telefônica, que representa o lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização, foi de R$ 5,539 bilhões no terceiro trimestre de 2023, o que representa uma alta de 11,7% na comparação com igual etapa de 2022.

Continua após a publicidade

Em seu documento, a Telefônica diz que o aumento do seu Ebitda ocorreu em meio ao grande faturamento core, que registrou uma alta anual de 9,6%. Outro fator que favoreceu seu Ebtida foi o maior controle de gastos, que avançou 4,6%.

Enquanto isso, a margem Ebitda ajustada teve um aumento de 1,6 ponto percentual, chegando a 42,2% ao final do terceiro trimestre de 2023.

Apesar disso, o resultado financeiro líquido mostrou um prejuízo de R$ 570 milhões para a Telefônica, com acréscimo anual de R$ 532 milhões. Segundo a proprietária da Vivo, esse resultado se deu em meio a um faturamento com atualização monetária mais baixo na comparação anual.

Já a receita líquida da Telefônica cresceu 7,5% no 3T23 (quando comparado a 3T22), chegando a R$ 13,112 bilhões. Mas a receita líquida móvel aumentou 9,4%, atingindo R$ 9,279 bilhões.

Enquanto a receita líquida fixa apresentou uma alta de 3,1%, a receita de fibra ótica FTTH cresceu 15,1% no terceiro trimestre de 2023.

Os investimentos da Telefônica somaram R$ 2,626 bilhões no 3T23, que foram principalmente voltados para reforçar a sua rede móvel. Um dos destinos desses recursos foi para expandir a rede de fibra e para ativar o 5G em diversas cidades.

Continua após a publicidade

A dívida líquida da proprietária da Vivo é de R$ 12,748 bilhões, o que corresponde a um aumento de 5,8% em relação ao mesmo período de 2022.

Desempenho das ações da Vivo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora