Só para assinantesAssine UOL

Americanas (AMER3) teve prejuízo líquido de R$ 12,9 bilhões em 2022 e de R$ 6 bilhões em 2021

Após adiamentos, a Americanas (AMER3), em recuperação judicial, apresentou os resultados de 2022 e republicou os de 2021, conforme comunicado divulgado nesta quinta-feira (16). O último balanço divulgado pela varejista foi o do terceiro trimestre de 2022, em novembro do ano passado.

Em 2022, a varejista teve um prejuízo líquido de R$ 12,9 bilhões e corrigiu a última linha de seu balanço em 2021 - neste ano, a Americanas teve um prejuízo líquido de R$ 6,23 bilhões, ante lucro líquido R$ 731 milhões divulgado anteriormente.

Assim, a perda líquida da Americanas aumentou 107% entre 2021 e 2022.

Já o lucro bruto da Americanas em 2022 foi de aproximadamente R$ 5,0 bilhões e a margem bruta atingiu a marca de 19,5% da receita líquida, "impactada pelo real custo de mercadorias vendidas, que já não contava com a fraude de lançamentos de contratos fictícios de verba de propaganda cooperada (VPC) que reduziam o custo", explicou. "Outro impacto relevante foi a provisão de obsolescência de estoques no valor de R$ 744 milhões, que teve contrapartida na linha de custos de mercadoria vendida".

A receita líquida consolidada da Americanas atingiu a marca de R$ 25,8 bilhões em 2022, com o varejo digital e o físico como unidades de negócio de maior representatividade (aproximadamente 87%). O valor é 14,6% superior aos R$ 22,521 bilhões reportados um ano antes.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente da Americanas ficou negativo em R$ 2,927 bilhões em 2022. Já o capital de giro da Americanas ficou em R$ 2,5 bilhões, com uma piora de R$ 1,2 bilhão na comparação anual, "com a redução dos recebíveis não sendo suficiente para compensar a redução do financiamento dos estoques", disse.

Ao fim do ano passado, a dívida líquida da Americanas era de R$ 26,3 bilhões. No final de 2021, a dívida líquida real da companhia era de R$ 13,9 bilhões, ante caixa líquido de R$ 1,73 bilhão divulgado originalmente.

O resultado financeiro da Americanas foi negativo em R$ 5,23 bilhões no ano passado, "já considerando as despesas de juros dos contratos de risco sacado e contratos de capital de giro devidamente contabilizados". A Americanas informou, também, que tinha um endividamento de curto prazo de R$ 37 bilhões ao final de 2022.

Projeções da Americanas para 2025

A Americanas também divulgou projeções para 2025, considerando uma eventual aprovação do plano de recuperação judicial, atualmente negociado com os principais credores da empresa.

Continua após a publicidade

Segundo a varejista, a expectativa para 2025 é de Ebitda de mais de R$ 2,2 bilhões, com um alavancagem medida pela relação dívida líquida/Ebitda de menos de 0,75 vez.

Além disso, espera atingir uma dívida bruta financeira entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão, e que o patrimônio da Americanas volte a ficar positivo.

"A projeção aqui divulgada é baseada nas expectativas da companhia sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, de fatores alheios à vontade da companhia, tais como condições de mercado, desempenho da economia brasileira, do setor e dos mercados internacionais", disse a Americanas.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora