França recorre a reservas estratégicas para evitar escassez de combustível

Paris, 25 Mai 2016 (AFP) - A França começou a utilizar suas reservas estratégicas para enfrentar os problemas de abastecimento de combustível em consequência dos protestos contra o projeto de reforma trabalhista do governo, anunciou a União Francesa de Indústrias Petroleiras (Ufip).

"Há dois dias, como havia problemas de funcionamento no refino e bloqueios de depósitos, começamos, em colaboração com os poderes públicos, a utilizar as reservas", declarou o presidente do organismo, Francis Duseux.

Seis das oito refinarias francesas estão paralisadas, total ou parcialmente, por movimentos de greve.

O conflito social, que também afeta os transportes e os portos, pode afetar a produção de energia elétrica, após uma convocação de greve para quinta-feira nas centrais nucleares.

O projeto de uma nova lei trabalhista, contra a qual são organizadas manifestações e greves há mais de dois meses, foi aprovado em primeira leitura sem a votação dos deputados, depois que o governo invocou um artigo da Constituição que permite a adoção de um texto sem debate ou voto parlamentar, exceto quando há uma moção de censura ao governo.

O governo afirma que o projeto pretende dar maior flexibilidade às empresas para lutar contra o desemprego. O texto dá mais poderes às empresas em termos de organização do tempo de trabalho e de demissões.

Os críticos consideram que aumentará a precariedade do mercado de trabalho e que a prioridade concedida à negociação das empresas sobre as negociações com sindicatos significará que a lei não será a mesma para todos os trabalhadores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos