Bolsas

Câmbio

Reunião do G20 será marcada pelo primeiro encontro Trump-Putin

Em Hamburgo

  • Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin/Reuters

    Vladimir Putin em reunião dos líderes do Brics, em Hamburgo, na Alemanha

    Vladimir Putin em reunião dos líderes do Brics, em Hamburgo, na Alemanha

Donald Trump e Vladimir Putin se reúnem nesta sexta-feira (7) pela primeira vez em Hamburgo, à margem do encontro de cúpula do G20, em um ambiente elétrico pela desconfiança mútua, mas também pelas grandes manifestações antiglobalização nas ruas da cidade alemã.

Após as manifestações de quinta-feira, quando mais de 70 policiais ficaram levemente feridos em confrontos com milhares de manifestantes, nesta sexta-feira foram registrados novos distúrbios, com carros da polícia incendiados no início da manhã.

O presidente russo desembarcou nesta sexta-feira na cidade do norte da Alemanha, que recebe até sábado a reunião do G20 (19 países mais a União Europeia), um fórum internacional das principais economias industrializadas e emergentes.

O presidente americano chegou à cidade na quinta-feira, procedente da Polônia, onde fez um discurso no qual reiterou o apoio à Otan e fez críticas incomuns à Rússia.

O muito aguardado encontro Trump-Putin, previsto para as 15h45 locais (10h45 de Brasília), deve abordar questões como o conflito na Ucrânia ou a guerra na Síria, em um contexto de desconfiança mútua.

"A segunda visita a Europa (de Trump) pode ser resumida em uma palavra: Putin", afirmou Derek Chollet, do German Marshall Fund of the United States, para quem os dois líderes não gostam de perder "sentem-se mais cômodos na intimidação".

De acordo com o Kremlin, a reunião será crucial para a segurança e a estabilidade.

Todos os olhares estarão voltados também para os detalhes, como o aperto de mãos, que já rendeu muitas manchetes a Donald Trump desde sua chegada à Casa Branca.

A reunião terá um formato excepcionalmente reduzido, com Trump sendo acompanhado apenas pelo secretário de Estado Rex Tillerson e por um tradutor, confirmou uma fonte da Casa Branca.

"Putin gosta das reuniões com poucas pessoas. Isto significa que a Casa Branca está deixando que o Kremlin imponha suas condições", lamentou o ex-embaixador americano na Rússia Michael McFaul.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos