PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fed vai manter alta gradual das taxas de juros nos EUA

17/07/2018 14h06

Washington, 17 Jul 2018 (AFP) - O Federal Reserve (o Banco Central americano) manterá a alta gradual das taxas de juros, em um cenário marcado por uma economia forte, mas ofuscada por questões comerciais - disse o diretor da entidade, Jerome Powell, nesta terça-feira (17).

Em uma apresentação ante uma comissão do Senado, Powell lembrou que o nível de emprego segue muito forte e a inflação dentro da trajetória prevista, mas admitiu que "é difícil prever o resultado das discussões em marcha em matéria de política comercial".

Powell expressou sua convicção de que os riscos para a economia americana estão "em equilíbrio" e, por isso, concluiu que "a melhor forma de continuar é manter a alta gradual das taxas".

"Em geral, o risco de que a economia se enfraqueça de repente está mais ou menos equilibrado com a possibilidade de que a atividade se acelere rapidamente", afirmou.

O governo de Donald Trump imprimiu um forte ritmo protecionista à econômica e aos intercâmbios comerciais, a tal ponto que o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou, na véspera, sobre os riscos sistêmicos de uma abordagem deste tipo.

Se as discussões comerciais "sem precedentes" que se dão atualmente no mundo "resultarem em tarifas mais baixas para todos, será bom para a economia", disse Powell em resposta a uma pergunta.

Contudo, "se levarem a tarifas aduaneiras mais elevadas (...) durante um período mais longo, será ruim para nossa economia e também para a de outros países", alertou.

O Fed já elevou duas vezes neste ano sua taxa básica de juros e tinha deixado a porta aberta para outros dois aumentos até dezembro.

A taxa atualmente flutua em um espectro que vai de 1,75% a 2%.

- Economia forte -De acordo com Powell, a política monetária americana "reflete o forte desempenho da economia e se propõe a ajudar que essa tendência se mantenha".

Depois de um crescimento modesto no primeiro trimestre, a 2% em ritmo anual, "os dados de crescimento no segundo trimestre sugerem que a expansão foi muito mais forte", garantiu.

A primeira estimativa oficial do Produto Interno Bruto (PIB) será anunciada pelo Departamento de Comércio em 27 de junho.

O diretor do Fed elogiou o desempenho do mercado de trabalho, cuja taxa de desemprego, em 4%, "está perto de seu nível mais baixo em duas décadas".

Quanto à inflação, ele elogiou os dados "alentadores" já que o aumento dos preços finalmente tocou a meta de 2% do Fed, após anos de uma inflação muito baixa que despertou temores de uma desaceleração econômica.

Powell disse que o Comitê Monetário do Fed (FOMC) prevê que "o mercado de trabalho se manterá forte e a inflação se manterá em torno de 2% nos próximos anos".

Contudo, ele observou que o recente aumento pronunciado dos preços da energia, o chefe do banco central não pareceu se preocupar com esses custos, que podem pesar nos orçamentos dos consumidores.

Powell ponderou ainda o fato de que a taxa de desemprego caiu consideravelmente nos últimos anos para a população negra e hispânica, chegando ao seu nível mais baixo desde 1972.