PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Uma 'zona morta' se propaga no mar Arábico

17/07/2018 15h32

Abu Dhabi, 17 Jul 2018 (AFP) - Nas águas do mar Arábico se estende uma "zona morta" sem oxigênio e do tamanho da Escócia. Os cientistas acreditam que pode ser consequência das mudanças climáticas.

Em um laboratório de Abu Dhabi, Zuhair Lashkar trabalha em um modelo informatizado do golfo de Omã, uma zona do mar Arábico que contorna o sultanato de Omã e o Irã. Imagens a cores e em movimento indicam as mudanças de temperatura, o nível do mar e, sobretudo, as concentrações de oxigênio.

Estes modelos e as novas pesquisas realizadas este ano mostram uma tendência preocupante.

A zona morta do mar Arábico é a maior do mundo, assegura Lashkar, pesquisador da universidade NYU Abu Dhabi.

"Começa a cerca de 100 metros (de profundidade) e desce até 1.500 metros, de modo que quase toda a coluna de água fica completamente desprovida de oxigênio", explicou à AFP.

Lashkar e outros pesquisadores acreditam que o aquecimento global fomenta a expansão da zona e isto preocupa por suas repercussões nos ecossistemas e indústrias locais, como a pesca e o turismo.

As "zonas mortas" são fenômenos naturais. A do mar Arábico se estende do estreito de Ormuz, no golfo de Áden, até a costa indiana, ao leste, e parece ter crescido desde os anos 1990.

No estudo de 2015 e 2016 foram detectados níveis de oxigênio mais baixos que os registrados em 1996, e os mais baixos deles não se limitam ao coração da "zona morta", indo além dela.

"O nível está no ponto mínimo em todos os lugares", afirma à AFP Bastien Queste, que dirige as pesquisas realizadas pela universidade britânica de East Anglia em colaboração com a Universidade Sultan Qaboos de Omã.

Segundo Lashkar, a "zona morta" do mar Arábico parece se encontrar em um ciclo onde o aquecimento do mar reduz o oxigênio, o que por sua vez reforça o aquecimento. "Pode ser terrível para o clima", afirma.

De Mumbai, no oceano Índico, até Mascate, no golfo de Omã, há vários portos sobre o mar Arábico.

Estas zonas costeiras e suas populações serão afetadas pela expansão da "zona morta", porque esta pode reduzir o habitat dos peixes e a pesca é um importante meio de subsistência para os habitantes da região.

"Quando a concentração de oxigênio cai abaixo de alguns níveis, os peixes não podem sobreviver", afirma Lashkar.

Além da pesca, os recifes de coral e o turismo também poderiam ser afetados, acrescenta Lashkar.

Em 2015, no Acordo de Paris sobre o Clima, os países estabeleceram uma redução das emissões de CO2 com o objetivo de atenuar o aquecimento global, mas no ano passado o presidente americano Donald Trump retirou os Estados Unidos, o segundo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo atualmente, do tratado.