PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Aviões e drones monitoram dano ambiental na Amazônia peruana

22/08/2018 22h09

Lima, 23 Ago 2018 (AFP) - A Força Aérea do Peru começou a monitorar com aviões e drones os danos ambientais causados por mineiros e madeireiros ilegais na Amazônia, a selva peruana, informou nesta quarta-feira (22) o ministério da Defesa deste país.

Naves tripuladas e não tripuladas captaram milhares de imagens na região amazônica de Madre de Dios, epicentro da mineração no Peru, em uma operação "sem precedentes, realizada nos dias 7, 8 e 9 de agosto", informou o ministério em um comunicado.

No detalhe, "mais de 20 mil imagens aéreas (...), muitas das quais mostram os efeitos perniciosos da mineração ilegal e outras atividades ilícitas nas florestas, foram captadas", acrescentou o ministério.

Nas imagens podem ser vistos acampamentos de mineradores e madeireiros, além das trilhas que percorrem na selva, por onde passam caminhões e tratores.

Lagoas de rejeitos, motores em funcionamento, depósitos de combustíveis e gente operando dragas também podem ser vistos nas fotografias e nos vídeos, que foram tiradas de uma altitude de 2.000 metros por aviões C-26B e drones.

Estas imagens "permitirão às autoridades estabelecer os níveis de afetação ao meio ambiente e à biodiversidade", destacou o ministério.

As fotos e vídeos serão entregues à promotoria, o ministério da Cultura, a Marinha e outras instituições vinculadas à preservação e à proteção do meio ambiente e biodiversidade.

Além disso, o material será entregue a algumas ONGs, como a Associação para a Preservação da Bacia Amazônica e a Federação de Nativos de Madre de Dios, que combatem a exploração ilegal dos recursos nesta região remota.

Os milhares de mineiros ilegais empregam dragas, dinamite e mercúrio para extrair ouro, destruindo tudo pelo caminho, afirmam as autoridades.

"As fotografias e os vídeos captados durante o sobrevoo em Madre de Dios, permite apreciar com precisão como a atividade de mineração ilegal afeta a Amazônia, ao provocar desmatamento", disse o coronel Luis José Callirgos, do Comando de Controle Aeroespacial da FAP, à agência de notícias estatal Andina.