ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

FMI respalda projeto de orçamento do governo argentino

20/09/2018 17h11

Washington, 20 Set 2018 (AFP) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) respaldou nesta quinta-feira o projeto de orçamento apresentado pelo governo argentino ao Congresso esta semana, um plano austero que tem como meta principal o equilíbrio fiscal.

"O projeto de orçamento apresentado nesta segunda-feira representa uma parte fundamental do programa das autoridades para reforçar a política econômica e dinamizar a economia", disse à imprensa o porta-voz da instituição financeira multilateral, Gerry Rice.

"É muito importante já que protege os gastos relativos a benefícios sociais e saúde", disse Rice sobre o projeto que contempla levar a um equilíbrio das contas públicas após registrar um déficit de 3,9% em 2017.

"Nós pensamos que isso é um elemento-chave em um período de dificuldades financeiras", acrescentou.

Contudo, o orçamento austero foi recebido com preocupação na Argentina, onde o descontentamento social e os protestos crescem.

"A sustentabilidade das contas públicas é indispensável para ter uma economia ordenada (...). A solvência fiscal também é necessária para reduzir as vulnerabilidades da economia", destacou o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, ao apresentar o projeto.

A principal central sindical argentina, a CGT, convocou uma greve nacional para o dia 25 deste mês.

O governo de centro-direita de Macri enfrenta pressões de distintos setores em um momento em que a inflação, que se estima em 42% para este ano, destrói o poder aquisitivo.

O governo não tem maioria própria no Congresso. Para aprovar o orçamento dependerá de alianças com outros setores.

Segundo um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicado nesta quinta-feira, a economia argentina deve contrair 1,9% neste ano, uma degradação em relação às previsões anteriores feitas em maio.

No segundo trimestre, o PIB retraiu 4,2% em relação ao ano anterior e acumula queda de 0,5% nos primeiros seis meses do ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) da Argentina.

- 'Progressos importantes' -Rice disse que não há um cronograma estabelecido para o diálogo e a apresentação de um novo programa a ser avaliado pelo FMI.

"Progressos significativos foram feitos. Estamos trabalhando duro para concluir (as negociações) em breve", disse o porta-voz do Fundo.

O FMI e o governo de Mauricio Macri acordaram em junho um programa de ajuda de US$ 50 bilhões por três anos, dos quais US$ 15 bilhões já foram entregues.

Mas isso não impediu a queda da taxa de câmbio: o peso já perdeu mais de 50% de seu valor só neste ano.

O governo espera que o FMI aprove o adiantamento dos desembolsos restantes para garantir o pagamento da dívida e prometeu levar seu déficit, que era de 3,9% em 2017, para zero em 2019.

O equilíbrio fiscal é o principal requisito do FMI.

Mais Economia