PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Fed mantém juros e diz que será "paciente"

31/01/2019 00h39

Washington, 31 Jan 2019 (AFP) - O Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos manteve as taxas de juros na quarta-feira e disse que será "paciente" antes de alterá-las em um sinal muito claro de suas preocupações sobre o futuro da economia.

Embora o Fed acredite que "o mais provável" é que a economia e o emprego continuem a crescer, sua declaração aponta para incertezas crescentes.

"À luz dos eventos econômicos e financeiros globais e das tênues pressões inflacionárias, o comitê será paciente" para determinar o momento e a necessidade de novos aumentos de juros, diz o comunicado do comitê de política monetária do Fed (FOMC).

Em outro comunicado, o Fed disse que estava preparado para mudar o ritmo de redução de seus ativos em títulos depois que os mercados expressaram preocupação devido à lentidão do atual processo de desprendimento desses ativos de trilhões de dólares.

A linguagem do comunicado do FOMC, que manteve os juros entre 2,25% e 2,50%, reflete a percepção crescente de que a economia dos EUA pode ter atingido seu teto.

A declaração menciona um crescimento econômico "sólido" em vez de falar sobre "taxa de crescimento forte" como nas notas anteriores da entidade.

A decisão desta quarta-feira era esperada depois que membros do Fed vinham dizendo há várias semanas que tentariam agir com cautela antes de continuar a apertar a política monetária. Mas a linguagem usada no comunicado surpreendeu.

Wall Street fechou em alta. O Dow Jones subiu 1,77%, o Nasdaq 2,20% e o S&P 500 1,55%. O dólar caiu após a coletiva de imprensa do presidente do Fed, Jerome Powell.

- Riscos à vista - No ano passado, o Fed aumentou os juros quatro vezes, mas levantou temores de uma desaceleração na taxa de crescimento da maior economia do mundo em meio a uma guerra comercial com a China. Esse contexto levou os membros do Fed a dizer que levarão tempo para analisar o desempenho da economia.

A paralisação parcial do governo federal por cinco semanas também afetou o desempenho econômico do primeiro trimestre, embora se espere que muito possa ser recuperado. Powell alertou que outro "fechamento" poderia ter "um efeito permanente ou duradouro" sobre a economia.

Ele também disse que o impacto das tarifas sobre as importações que foram reciprocamente aplicadas por Washington e Pequim "não teve efeitos sobre o PIB até agora, nem aqui nem na China". Contudo, ressaltou que "uma extensão das negociações com ataques e contra-ataques pode minar a confiança das empresas". A incerteza não é amigável com os negócios.

- Redução de ativos -No final do ano passado, Powell sacudiu os mercados com comentários considerados otimistas demais e mostrando sinais de que os juros poderão subir novamente.

Powell fez uma mudança agora. Ele tentou deixar claro que muitas incertezas foram antecipadas e admitiu que o Fed notou uma "mudança substancial nas condições financeiras".

Ele se recusou, no entanto, a dar sinais sobre o tempo que o Fed levará para alterar os juros. "A duração deste período de paciência dependerá inteiramente dos dados futuros e de suas consequências para as perspectivas" da economia, disse ele.

O comunicado sobre os ativos diz que o Fed "está preparado para usar uma ampla gama de ferramentas, incluindo a alteração do tamanho e composição de seu balanço, se as condições econômicas futuras garantirem uma política monetária mais acomodatícia".

Powell ressaltou que o objetivo do Fed é reduzir esses ativos sem "turbulências desnecessárias nos mercados".

hs/dg/gm/cc

PUBLICIDADE