PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Epidemia de peste suína na China afeta mercado global de soja, diz FAO

09/05/2019 12h49

Paris, 9 Mai 2019 (AFP) - O aumento da demanda mundial por grãos de soja pode ser interrompido bruscamente em 2019 devido à rápida propagação da peste suína africana na China, segundo relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), publicando nesta quinta-feira.

"Com a forte redução dos estoques de porcos, o crescimento exponencial das importações, em particular da soja, ao longo das últimas duas décadas, pode ser interrompido bruscamente", afirma o texto.

A China é a maior importadora mundial de soja, e metade das oleaginosas são usadas como alimentos na criação de portos.

A tendência de queda já começou. Entre novembro de 2018 e março de 2019, as importações chinesas diminuíram de 8 milhões de toneladas por mês para 6 milhões de toneladas mensais.

A China é um mercado crucial para os produtores - especialmente, Estados Unidos e Brasil - e compra dois terços da produção mundial, afirmam os especialistas da FAO.

A crise de peste suína africana terá repercussões de menores proporções em outros mercados, como o milho, prevê o relatório. A China teria um estoque interno de grãos de mais de 300 milhões de toneladas - 266 milhões delas de milho.

Por fim, o mercado de laticínios também será afetado. A China é o maior importador mundial de soro de leite em pó, outro integrante da alimentação suína.

Segundo a FAO, os países produtores de suínos da Europa e na América devem se beneficiar da situação, bem como os avicultores, que podem antecipar um aumento da demanda chinesa.

Surgida na China no verão de 2018, a epidemia da peste suína africana levou as autoridades a sacrificar mais de 1 milhão de porcos. A progressão da doença pode "se mostrar mais forte do que o previsto", afirma o relatório.

del/ef/eb/llsiy