PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Sudeste asiático espera tirar proveito da guerra comercial EUA-China

29/05/2019 16h25

Hanói, 29 Mai 2019 (AFP) - Os países do sudeste asiático, que fabricam de sapatos esportivos a relógios, esperam tirar proveito da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que deve levar muitas marcas a deixar de produzir no gigante asiático.

É o caso da Garco 10, empresa têxtil de Hanói, Vietnã, que produz camisas para marcas americanas como Hollister. No ano passado, suas exportações para os Estados Unidos aumentaram 7% e este ano dispararam 10%.

"Graças à guerra comercial entre Estados Unidos e China, vários setores da economia vietnamita conseguiram encontrar seu lugar, em particular nosso setor têxtil", diz o presidente da empresa, Than Duc Viet.

"Quando os Estados Unidos aplicaram tarifas aos produtos chineses, as empresas pensaram em seguida no Vietnã. Porque Vietnã e China são geograficamente muito próximos, de forma que deslocar material da China ao Vietnã e do Vietnã aos Estados Unidos equivale a exportar de China aos Estados Unidos", explica à AFP.

As exportações do Vietnã aos Estados Unidos no primeiro trimestre de 2019 superaram os 16 bilhões de dólares, 40% mais em relação no mesmo período de 2018, segundo estatísticas americanas.

Trata-se de uma tendência que deveria se acentuar com a guerra comercial entre as duas principais economias do mundo.

Em 10 de maio, Donald Trump impôs novas tarifas alfandegárias de 200 bilhões de dólares a mercadorias chinesas.

A China tem previsto, por sua vez, aumentar as tarifas a 60 bilhões de dólares em mercadorias americanas a partir de 1º de junho.

Mais de 40% das empresas americanas presentes na China estão estudando deslocar sua produção para países do sudeste da Ásia ou para o México, segundo um estudo recente da Câmara de Comércio americana na China.

Algumas já o fizeram, como a japonesa Casio, que anunciou que levaria parte de sua produção de relógios para Tailândia e Japão para evitar as tarifas americanas.

A fabricante de sapatos Steve Madden, por sua vez, está estudando produzir mais no Camboja, enquanto a fabricante de material esportivo Brooks Running avalia deixar o Vietnã.

- Produtividade frágil -No entanto, o sudeste da Ásia não pode substituir totalmente a China, considerada a "oficina do mundo".

É certo que os custos são menores na região, graças aos salários menores: 250 euros no Vietnã, EUR 160 no Camboja e Indonésia contra EUR 480 na China. Mas a produtividade é muito menor.

"A mão de obra é três vezes mais cara na China, mas a produtividade é três vezes maior", afirma Frank Weiand, da Câmara de Comércio americana no Vietnã.

Além disso, a população economicamente ativa dos países do sudeste asiático não pode competir com os operários chineses. O Vietnã, por exemplo, tem dez milhões de pessoas no setor manufatureiro contra 166 milhões na China, segundo dados da Organização Mundial do Trabalho.

A Indonésia, por sua vez, tem 17 milhões de operários e o Camboja, 1,4 milhão.

A Indonésia é especialmente vulnerável, embora o país tenha ativado um programa de desenvolvimento de infraestruturas e de redução de impostos para as empresas que decidem se instalar lá.

a longo prazo, a guerra comercial entre Pequim e Washington poderia modificar o mapa da produção industrial na Ásia.

"Sem dúvida, porá fim ao predomínio da China como oficina dos Estados Unidos", diz Gary Hufbauer, do Peterson Institute for International Economics.

CASIO COMPUTER

PUBLICIDADE