PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Paquistão transforma praga de gafanhotos em alimento para aves

11/06/2020 10h32

Lahore, Paquistão, 11 Jun 2020 (AFP) - Confrontado com a pior invasão de gafanhotos em 25 anos, que devastou plantações e ameaça a segurança alimentar, o Paquistão desenvolveu um projeto piloto para transformar esses insetos ricos em proteínas em ração para aves.

Um primeiro teste foi realizado em fevereiro, quando os moradores foram pagos para coletar gafanhotos no distrito de Okara, no centro do país, onde as culturas não usam pesticidas, uma vez que o uso desses produtos químicos faria com que os insetos não estivessem aptos para o consumo.

"Primeiro tivemos que ensinar aos locais como pegar os gafanhotos. As redes são inúteis contra eles", diz Muhammad Khurshid, funcionário do ministério da Alimentação, coordenador da iniciativa.

São capturados à noite, um a um, quando os enxames, aproveitando as temperaturas mais frias, descansam nas árvores e plantas, explica.

Por cada quilo de gafanhoto, os agricultores recebem 20 rúpias paquistanesas (12 centavos). Para eles, é também uma espécie de vingança, já que os gafanhotos devoram suas plantações.

"Os gafanhotos devoraram todos os meus cereais", lamenta uma camponesa que ganhou cerca de 1.600 rúpias (pouco menos de 10 dólares) com a coleta do dia.

Os esforços dos agricultores, que coletaram 20 toneladas de gafanhotos, esgotaram o orçamento do projeto por enquanto.

Os insetos, triturados e secos, foram adicionados à ração de aves do maior produtor de ração animal do país, a Hi-tech Feeds. A nova mistura foi testada em 500 galinhas.

- Dificuldades -"Não houve problemas", diz Muhammad Athar, gerente geral da empresa. Os gafanhotos do deserto, ricos em proteínas, "têm um bom potencial para uso em alimentos para aves", acrescenta.

Embora o projeto piloto não seja uma solução para a devastação das colheitas, pode fornecer aos agricultores uma fonte alternativa de renda e aliviar as autoridades que lutam para distribuir pesticidas contra gafanhotos.

Em junho, o primeiro-ministro Imran Khan aprovou um plano para expandir o projeto, pois o Paquistão teve o pior ataque de gafanhotos em 25 anos.

Segundo a ONU, fortes chuvas e ciclones causaram uma multiplicação "sem precedentes" de enxames no ano passado na Península Arábica.

A crise é tão grave que o governo declarou o fenômeno uma emergência nacional e pediu ajuda à comunidade internacional.

Bananas, mangas e outras hortaliças também são vulneráveis, aumentando o medo de uma escassez de alimentos.

Além disso, as exportações de trigo e algodão fornecem renda vital ao Paquistão, uma economia sobrecarregada pela pandemia de coronavírus.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Paquistão poderá sofrer perdas de cerca de 5 bilhões de dólares se 25% de suas colheitas forem afetadas.

A redução de safra também pode aumentar os preços e agravar a insegurança alimentar em um país onde cerca de 20% da população já está desnutrida e quase metade das crianças com menos de cinco anos sofre de déficit de atenção, segundo dados do Programa Alimentar Mundial.

Os gafanhotos também causaram sérios danos no noroeste da Índia, vizinha do Paquistão, além de devastar uma dúzia de países da África Oriental este ano.

f-ak/ecl/jf/at/ahg/zm/mr

Economia