PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Mídia e Marketing

Organizadores do boicote ao Facebook se dizem decepcionados com rede após reunião

CEO Mark Zuckerberg tem defendeu regras da plataforma diante de protestos - Liu Jie/Xinhua
CEO Mark Zuckerberg tem defendeu regras da plataforma diante de protestos Imagem: Liu Jie/Xinhua

08/07/2020 10h52

Uma das quatro organizações de direitos civis que pediram um grande boicote publicitário ao Facebook se disse "muito decepcionada" depois de uma reunião ontem com os executivos da rede social, a quem acusam de não lutar o suficiente contra conteúdo que promove racismo, discriminação e ódio.

"Estou muito decepcionada pelo fato de o Facebook continuar se recusar a ser responsável perante seus usuários, anunciantes e sociedade em geral", disse Jessica González, copresidente da associação Free Press, após uma reunião por videoconferência com Mark Zuckerberg, fundador e diretor executivo da rede, e a número dois da plataforma, Sheryl Sandberg.

González prometeu que o boicote, ao qual mais de 900 empresas aderiram, continuará enquanto o Facebook "não se comprometer a agir".

O apelo foi lançado há algumas semanas pela principal organização afro-americana de direitos civis, a NAACP, bem como a Liga Antidifamação, que luta contra o antissemitismo, a Cor da Mudança e a Imprensa Livre, entre outros, em um contexto de protestos contra racismo e violência policial em todo o país.

"Eu esperava ver humildade e profunda reflexão sobre a influência desproporcional do Facebook na opinião pública, crenças e comportamentos, bem como os muitos danos que isso causou na vida real. Em vez disso, descobrimos que tínhamos o direito de para mais diálogo e nenhuma ação ", continuou González em comunicado.

"Isso ainda não acabou. Continuaremos ampliando o boicote até que o Facebook leve a sério nossas demandas. Não seremos distraídos pelo giro do Facebook hoje ou em qualquer outro dia".

O Sleeping Giants, outro grupo ativista envolvido no boicote, informou que ficou claro na reunião que os executivos do Facebook "pretendem não tomar medidas reais para lidar com o ódio e a desinformação em sua plataforma".

Rashad Robinson, presidente do grupo ativista Color of Change, concordou que a reunião foi "uma decepção".

Os executivos "compareceram à reunião (...) e não apresentaram respostas para as perguntas que colocamos sobre a mesa", afirmou.

O Facebook viu o encontro como uma oportunidade de ouvir os organizadores do boicote e "reafirmar" o compromisso de combater o ódio na plataforma, disse um porta-voz à AFP.

"Eles querem que o Facebook esteja livre de discursos de ódio, e nós também", disse o porta-voz, que enfatizou os passos que a rede social tomou para banir os grupos de supremacistas brancos e combater a interferência nas eleições ou no censo.

"Sabemos que seremos julgados por nossas ações, não por nossas palavras, e somos gratos a esses grupos e a muitos outros por seu compromisso contínuo", acrescentou.

A melhor e última possibilidade

Antes da reunião, Sandberg, diretora de operações da rede social, disse estar ciente da importância do que estava sendo considerado.

Em sua página no Facebook, ele observou que a teleconferência estava ocorrendo "no contexto do que é sem dúvida o maior movimento social da história dos Estados Unidos e o melhor e talvez a última possibilidade de nossa nação agir contra o racismo que permeia nosso país "

Também afirmou que a rede social estava se preparando para anunciar mudanças em suas políticas após discussões com defensores dos direitos civis, com base em uma auditoria interna.

"Estamos fazendo mudanças, não por razões financeiras ou por pressão dos anunciantes, mas porque é a coisa certa a fazer", destacou, acrescentando que o Facebook trabalha duro há anos para reduzir publicações que promovem o ódio on-line, em resposta a vários vozes que apontam que a rede não fez esforços suficientes nessa direção. Adidas, Puma, Levis, Coca-Cola, Starbucks, Ford, Unilever (Lipton, Magnum, Dove etc.) estão entre as mais de 900 empresas que suspenderam suas compras de publicidade na rede social de 1,73 bilhão de usuários diariamente

Mídia e Marketing