PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Datas-chave do mandato de Donald Trump

07/11/2020 16h53

Washington, 7 Nov 2020 (AFP) - Desde o lançamento de sua candidatura em 2015 até o anúncio de sua derrota no sábado, o primeiro mandato de Donald Trump foi marcado por um boom econômico, posteriormente apagado pela crise do coronavírus, e por uma profunda divisão da sociedade americana.

Estas são as datas principais de Donald Trump no poder:

- Uma campanha pouco usual -16 de junho de 2015: o empresário e ex-astro do reality show anuncia sua candidatura à presidência pela Trump Tower em Nova York, cercado por sua família.

7 de outubro de 2016: retransmissão de uma gravação de uma conversa privada datada de 2005 causa um escândalo. Nela, ele fala obscenamente sobre as mulheres.

8 de novembro de 2016: aos 70 anos, ele se tornou o 45º presidente dos Estados Unidos.

20 de janeiro de 2017: sua inauguração é marcada por grandes manifestações, algumas delas com violência.

- Primeiras decisões -22 de janeiro: anúncio do início da renegociação com Canadá e México do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).

25 de janeiro de 2017: Lançamento do projeto de construção de um muro anti-imigração na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

27 de janeiro: decreto que proíbe a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

31 de janeiro: nomeação do juiz conservador Neil Gorsuch para a Suprema Corte, o primeiro de três novos juízes que definitivamente levarão o tribunal ao conservadorismo.

1º de junho: anúncio da saída dos Estados Unidos do acordo climático de Paris.

- Economia -20 de dezembro de 2017: aprovação no Congresso do maior corte de impostos em 31 anos.

31 de maio de 2018: impostos sobre aço e alumínio importados do México, Canadá e União Europeia.

15 de junho de 2018: Trump declara guerra comercial com a China com tarifas de 25% sobre US$ 50 bilhões em importações.

Setembro de 2019: a taxa de desemprego chega a 3,5%, o mínimo em 50 anos.

- Diplomacia -6 de dezembro de 2017: os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como a capital de Israel, apesar da desaprovação internacional.

8 de maio de 2018: anúncio da saída dos Estados Unidos do acordo nuclear internacional com o Irã e o restabelecimento das sanções americanas.

30 de junho de 2019: Donald Trump se torna o primeiro presidente dos EUA a pisar na Coreia do Norte.

3 de janeiro de 2020: O poderoso general iraniano Qasem Soleimani é morto em um ataque americano em Bagdá.

- As derrotas -28 de julho de 2017: fracasso do Senado em revogar Obamacare, a reforma do sistema de saúde promovida pelo Partido Democrata.

6 de novembro de 2018: durante as eleições de meio de mandato, a oposição democrata recupera o controle da Câmara dos Representantes. Senado continua nas mãos dos republicanos.

20 de junho de 2018: diante de um clamor popular, Trump acaba com a prática de separar crianças que cruzaram a fronteira com seus pais.

- A divisão -12 de agosto de 2017: durante uma manifestação de extrema direita em Charlottesville, Virgínia, um simpatizante neonazista atropela um grupo de contra-manifestantes antirracistas com seu carro, matando um deles. Trump recebe muitas críticas ao dizer que havia "gente boa em ambos os lados".

14 de fevereiro de 2018: homem de 19 anos ataca sua antiga escola em Parkland, Flórida, e 17 pessoas são mortas. O evento desencadeia uma mobilização em massa de jovens para limitar o acesso a armas de fogo. Mas Trump apoia totalmente o direito dos americanos de possuir uma arma.

25 de maio de 2020: George Floyd, um homem negro de 46 anos, morre em Minneapolis asfixiado por um policial branco. Os Estados Unidos são palco de protestos contra o racismo e a brutalidade policial sem precedentes desde a década de 1960.

- Investigação russa -17 de maio de 2017: Robert Mueller, ex-chefe do FBI, é nomeado advogado especial na investigação do suposto conluio entre a equipe de campanha de Donald Trump e a Rússia.

18 de abril de 2019: lançamento do relatório Mueller que não conclui que houve conluio, mas também não inocenta Trump. O relatório mostra que seus parentes tiveram inúmeros contatos com intermediários russos e que Moscou interveio na campanha em favor do candidato republicano.

- Caso ucraniano e processo de impeachment -18 de dezembro de 2019: o presidente é acusado pela Câmara dos Representantes de abuso de poder e obstrução dos trabalhos do Congresso. Ele é acusado de pressionar a Ucrânia em julho para que Kiev iniciasse uma investigação de corrupção contra Joe Biden, seu potencial oponente em 2020.

16 de janeiro de 2020: abertura de processo de impeachment ou impeachment no Senado.

5 de fevereiro: Donald Trump é absolvido em uma votação.

- Coronavírus na campanha - 31 de janeiro de 2020: os Estados Unidos anunciam a proibição de entrada no território de não americanos que tenham visitado recentemente a China, para impedir a propagação do novo coronavírus. A medida é estendida aos europeus no dia 14 de março.

20 de junho: Donald Trump, que desafia a doença por não querer usar máscara, relança sua campanha com um grande comício em Tulsa, Oklahoma.

2 de outubro: Trump testa positivo para covid-19, é admitido em um hospital militar por três noites antes de retornar à Casa Branca, onde permanece alguns dias antes de retomar suas reuniões de campanha.

bur-cyj/la/mps/gma/cc