Inflação volta a cair em outubro nos EUA, a 3% em 12 meses

A inflação nos Estados Unidos caiu para 3% em 12 meses em outubro graças às quedas nos preços de bens e energia, segundo o índice PCE, o preferido do Federal Reserve (Fed, banco central), divulgado nesta quinta-feira (30).

O PCE, que mede os gastos do consumidor, caiu 0,4 ponto percentual em outubro em relação a setembro, segundo o Departamento do Comércio. 

Se não forem considerados os preços mais voláteis dos alimentos e da energia, a "inflação subjacente" (ou núcleo da inflação) também moderou para 3,5% ao ano, em linha com as expectativas do mercado", de acordo com o consenso de analistas reunidos pelo MarketWatch. 

A renda dos trabalhadores também moderou seus aumentos no mês passado, para 0,2%.

Esta é uma boa notícia para o Fed, que na sua última reunião manteve as suas taxas de juros de referência nos índices mais altos em 22 anos para tentar continuar controlando o aumento dos preços e levar a inflação à sua meta de 2% ao ano.

O aumento das taxas encarece o crédito e, portanto, desestimula o consumo e o investimento, moderando a pressão sobre os preços.

No Fed, cresce o otimismo de que é possível conter a inflação sem causar uma recessão, algo chamado de "soft landing" em inglês ou "pouso suave", em tradução literal. 

Na quarta-feira, o Fed divulgou o seu "Livro Bege", que indicava que a atividade econômica nos Estados Unidos se moderou nas últimas semanas e o mercado de trabalho continuou se esfriando.

"A atividade econômica moderou-se desde o relatório anterior", afirmou o Fed nesta pesquisa periódica sobre a economia dos EUA.

Continua após a publicidade

- Preços de energia e bens caem -

Os preços da energia caíram 2,6% em outubro face a setembro, enquanto os preços dos bens caíram 0,3%. Serviços e alimentação ficaram 0,2% mais caros. 

Os dados levantam a possibilidade de que o Fed mantenha as taxas estáveis pela terceira vez consecutiva na sua reunião de meados de dezembro. 

"Esperamos que o próximo movimento do Fed seja um corte nas taxas, provavelmente em meados do próximo ano", estimou Rubeela Farooqi, economista-chefe da High Frequency Economics.

O presidente da Fed de Nova York, John Williams, disse nesta quinta-feira, em uma conferência nesta cidade, que o crescimento econômico continuará se moderando no próximo ano, enquanto a taxa de desemprego poderá subir ligeiramente, prova de que a política monetária restritiva adotada pelo banco central está esfriando a maior economia do mundo. 

"Considero que será adequado manter uma política restritiva durante algum tempo para restaurar totalmente o equilíbrio e trazer a inflação para o nosso objetivo de longo prazo de 2% de forma sustentada", concluiu.

Continua após a publicidade

da/sms/mr/db/aa

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes