ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Como 5 economias reagiram à crise mundial - e como estão 10 anos depois

Pablo Uchoa - Do Serviço Mundial da BBC

Do Serviço Mundial da BBC

15/09/2018 07h00

Dez anos atrás, o banco Lehman Brothers protagonizou o episódio mais célebre da crise financeira que reverberaria por toda a economia global.

O maior caso de falência da história dos EUA evidenciou o quanto os mercados financeiros vinham apostando em ativos tóxicos - ou seja, nas chamadas hipotecas subprimes e seus derivativos - durante o boom dos anos anteriores.

A derrocada do banco marcou o fim de uma era de expansão. As economias emergentes, que vinham de seis anos de crescimento robusto, reduziram o seu ritmo em 2009 para um crescimento mais moderado, de 2,8% ao ano em média, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). Já os países industrializados viram sua economia recuar uma média de 3,4%.

Nos EUA e na Europa, os governos correram para resgatar instituições financeiras em falência, às custas do dinheiro de impostos. Reunidas no G20, as principais economias do mundo reconheceram a necessidade de estimular os mercados globais e entraram em acordo quanto a uma série de políticas para estimular o crescimento.

Passados dez anos desde o ápice da crise, como essas políticas surtiram efeito? O Serviço Mundial da BBC analisa cinco casos simbólicos - o do Brasil incluído:

Estados Unidos

"O estado da nossa economia exige uma ação corajosa e rápida", disse Barack Obama no dia de sua posse como presidente, em fevereiro de 2009.

O Lehman Brothers não era o único banco em má situação: diversas instituições financeiras americanas viram seus ativos evaporarem, sob acusações de que tinham confiado em excesso em empréstimos sem lastro suficiente. - ou seja, emprestado dinheiro para famílias incapazes de pagar suas dívidas.

O governo americano assumiu o controle das instituições Fannie Mae e Freddie Mac, resgatou a AIG por US$ 182 bilhões e, no âmbito do Congresso americano, um total de US$ 700 bilhões foi reservado para ajudar bancos insolventes. Henry Paulson, então secretário do Tesouro dos EUA, chegou a ser apelidado "Mr. Bailout", ou "Sr. Resgate".

O Fed, banco central americano, comprou US$ 4,5 trilhões em títulos de dívidas das empresas para injetar dinheiro na economia ao longo dos seis anos seguintes.

Poucos dias após tomar posse, Obama assinou a Lei de Recuperação, com mais de US$ 800 bilhões para financiar programas de resgate e investir em infraestrutura, educação, saúde e energia renovável.

"Sei o quanto é impopular ajudar os bancos neste momento", ele declarou na época. "Pretendo fazer com que esses bancos sejam plenamente responsabilizados pela ajuda que estão recebendo. Desta vez, CEOs não poderão usar dinheiro do contribuinte para aumentar os seus salários ou comprar cortinas chiques ou desaparecer em um jatinho privado. Esses dias acabaram."

A jornada dos EUA rumo à recuperação econômica seria longa: de 2008 a 2017, quase 7,8 milhões de casas foram tomadas de seus donos pela ausência de pagamento, segundo dados coletados pela empresa Corelogic.

Mais de 7,3 milhões de empregos foram extintos entre janeiro de 2008 e fevereiro de 2010, elevando a taxa de desemprego a cerca de 10% e aumentando a desigualdade social.

O estímulo fiscal fez subir o déficit orçamentário federal a quase 12% do PIB em 2009, segundo o FMI, mas essa taxa caiu a 2,5% do PIB em 2015. O desemprego também caiu, voltando ao patamar pré-crise de 2008.

Em 2012, Obama disse que o governo havia recuperado "cada centavo" usado para resgatar os bancos.

A força-tarefa especial criada para enfrentar a crise afirma que 251 pessoas - sendo 59 banqueiros - foram condenadas à prisão até agora por más práticas financeiras, mas nenhum CEO de Wall Street foi judicialmente responsabilizado até o momento.

União Europeia

Assim como nos EUA, autoridades europeias anunciaram, em outubro de 2008, um enorme pacote de resgate para instituições financeiras - totalizando quase US$ 700 bilhões no Reino Unido e mais de US$ 2,5 trilhões na zona do euro.

Ainda em 2008, a UE anunciou um plano de recuperação com medidas de estímulo totalizando mais de 1,5% do PIB do bloco.

A retração econômica, somada aos custosos pacotes de resgate, complicou a situação dos países da zona do euro que já tinham níveis insustentáveis de dívidas: Grécia, Irlanda, Portugal, Itália, Espanha e Chipre.

E, em contrapartida aos volumosos recursos internacionais que receberam, os governos de quase todos esses países tiveram de adotar medidas de austeridade altamente impopulares.

As tensões foram particularmente altas na Grécia, onde houve violentos confrontos durante protestos contra essas medidas de austeridade, em meio a taxas de desemprego de 60% entre os jovens.

Embora tenha estado perto de abandonar a União Europeia, a Grécia retomou sua estabilidade política e, após oito anos, anunciou no mês passado o fim de sua participação no programa de ajuda financeira externa - algo que foi comemorado como o fim da crise financeira no bloco europeu. O governo grego afirmou que não serão necessárias novas medidas de ajuste fiscal.

Mas o FMI afirma que o setor bancário continua frágil na zona do euro e prevê um crescimento lento na região nos próximos anos.

China

Para a China, cuja economia depende em grande medida do setor exportador, uma queda na demanda global por conta da crise significava um grande risco de retração econômica.

Por conta disso, o governo anunciou em 2008 um pacote de estímulo de US$ 585 bilhões - à época, equivalente a 12% do PIB - focado sobretudo em projetos de infraestrutura e em expansão monetária, para estimular o consumo das famílias.

Entre 2007 e 2014, a China conseguiu articular uma complexa transição econômica, enquanto suas taxas de crescimento caíram de 14% para 7%.

Em contrapartida, sua dívida subiu para impressionantes 250% do PIB, e diversos analistas temem que isso seja um grande risco para a economia mundial.

Nesse período, bancos chineses se tornaram maiores e mais lucrativos do que seus concorrentes ocidentais, segundo a base de dados The Banker.

Em 2008, apenas dois bancos chineses estavam no top 10 mundial; hoje, o ranking conta com quatro bancos chineses no topo.

Maiores bancos do mundo em 2018

País

Maiores bancos do mundo em 2008

País

ICBC

China

HSBC Holdings

Reino Unido

China Construction Bank

China

Citigroup

EUA

Bank of China

China

Royal Bank of Scotland

Reino Unido

Agricultural Bank of China

China

JP Morgan Chase & Co

EUA

JP Morgan Chase & Co

EUA

Bank of America

EUA

Bank of America

EUA

Mitsubishi UFJ Financial Group

Japão

Wells Fargo & Co

EUA

Credit Agricole Group

França

Citigroup

EUA

ICBC

China

Mitsubishi UFJ Financial Group

Japão

Banco Santander

Espanha

HSBC Holdings

Reino Unido

Bank of China

China

Fonte: The Banker

Brian Caplen, editor do The Banker, afirma que os bancos americanos e europeus atualmente desempenham "um papel menos global", após seus governos aumentarem suas regulações. Os que foram resgatados com dinheiro de impostos tiveram de vender operações internacionais para equilibrar suas contas.

Brasil

Em 2008, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o "tsunami" sofrido pela economia mundial resultaria em apenas uma "marolinha" no Brasil.

O país inicialmente escapou do risco de contágio da crise de subprime que assolava os EUA. Em meio a uma política de subsídios, gastos governamentais e incentivo ao crédito, o Brasil registrou 7,5% de crescimento em 2010 - o maior ritmo em 24 anos.

Lula manteve uma retórica agressiva contra os países industrializados, atribuindo a crise a "gente branca e de olhos azuis" durante uma reunião do G20 em Londres em 2009. Mas as ramificações da crise acabaram virando bem mais do que uma marolinha.

Com o esgotamento da política de crédito, a redução no consumo, a má situação das contas públicas, a deterioração no cenário internacional, a queda no preço das commodities, uma crise política interna e um enorme escândalo de corrupção, o país viu sua economia se contrair, entrando na que é hoje a maior recessão de sua história.

Enquanto isso, vieram os custosos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, alimentando uma já latente insatisfação popular que culminou na onda de protestos de 2013.

Em 2015, o crescimento do país foi negativo em 3,5%, e o déficit do governo alcançou 10% do PIB.

O resto é história: o impeachment de Dilma Rousseff, a posse de Michel Temer e uma economia ainda cambaleante, em meio às polarizadas eleições presidenciais de outubro.

Um dos retratos mais claros da crise é a alta taxa de desemprego do país: as medições mais recentes do IBGE apontam que o desemprego atinge 12,4%, e estimados 3,16 milhões de brasileiros procuram trabalho há mais de 2 anos.

Rússia

A economia russa, que assim como a brasileira é fortemente alimentada pela exportação de commodities, sofreu um duro golpe quando o preço do barril de petróleo caiu de US$ 100 para US$ 30 o barril nos últimos meses de 2008, em meio a temores de contração da demanda global.

A economia do país encolheu 7,9% em 2009, mas voltou a crescer no período em que o petróleo voltou a subir.

As exportações de petróleo e gás respondem por cerca de 40% da receita federal russa.

Entre 2001 e 2012, o governo usou o dinheiro para financiar deficits e gastos com salários do funcionalismo e pensões.

Mais recentemente, a economia russa começou a contrair (em 2015, foram -2,5%), após sofrer sanções internacionais decorrentes da anexação da Crimeia por Moscou, em 2014. Ao mesmo tempo, a renda das famílias pós-pagamento de impostos tem caído há quatro anos consecutivos.

Em 2016, a economia russa foi em parte estabilizada, provando-se "mais resiliente do que o esperado perante o duplo choque de preços de petróleo mais baixos e sanções", segundo analistas do FMI.

Mas o próprio Kremlin vê perspectivas menores de crescimento econômico, ante planos de aumentar os impostos sobre bens e serviços e uma política monetária mais restrita. Há, também, preocupações quanto ao envelhecimento da população - acredita-se que até 2050 cerca de 20% dos russos terão mais de 65 anos - e a sustentabilidade do sistema de pensões e aposentadorias.

Mais Economia