Bolsas

Câmbio

Bilionários

Maioria dos bilionários diminui fortuna depois de 20 anos, diz UBS

Margaret Collins

(Bloomberg) - Uma vez bilionário, nem sempre bilionário.

A maioria das famílias mais ricas do mundo há 20 anos observou uma redução em seu patrimônio durante essas duas décadas que passaram, de acordo com um relatório do UBS Group AG e da PricewaterhouseCoopers publicado nesta terça-feira (15). Mais de metade, 56%, das pessoas que tinham um patrimônio líquido de pelo menos US$ 1 bilhão em 1995 já não fazia parte dessa faixa de renda em 2014, disse o estudo.

"Os patrimônios grandes são voláteis - extremamente voláteis", disse Michael Spellacy, sócio sênior da PwC.

Dos 289 bilionários de 1995, 126 continuam nesse grupo. Dos 163 que ficaram de fora, 24 viram sua fortuna ser diluída entre membros da família, 66 perderam-na por morte e impostos e, para 73 delas, o declínio se deveu a fracassos empresariais e outras questões, disse o relatório.

Os novos bilionários mais que substituíram aqueles que perderam suas riquezas. UBS e PwC reuniram dados sobre 1.300 bilionários em todo o mundo, mais de 1.000 deles se tornaram bilionários de 1995 para cá. A maioria fez fortuna nos setores de finanças, tecnologia, bens de consumo ou varejo durante os últimos 20 anos.

Outro relatório, publicado por essas empresas em maio, concluiu que mais de dois terços dos bilionários têm mais de 60 anos e que a maioria deles tem pelo menos dois filhos. "Essa segunda geração é realmente crítica para definir a manutenção do patrimônio", disse John Mathews, diretor de gestão de patrimônio privado da UBS Wealth Management Americas. "A dose certa de perspicácia empresarial e de governança familiar é muito importante".

Sobreviventes

Embora a maioria dos bilionários de 1995 tenha perdido dinheiro, o restante se saiu bastante bem. Eles quadruplicaram seu patrimônio para uma média de US$ 11 bilhões, em comparação com US$ 2,9 bilhões há 20 anos, e seus ativos tiveram um desempenho superior ao dos mercados acionários. Muitos conservaram uma parte ou o total das empresas familiares que são a fonte de seu patrimônio e reinvestiram nas companhias, disse Spellacy.

Neste ano, as 400 pessoas mais ricas do mundo perderam aproximadamente US$ 166 bilhões, 4,1% do patrimônio combinado, porque os mercados de ações perderam terreno e as riquezas derivadas das commodities, como o petróleo, diminuíram, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index. Até o dia 14 de dezembro, o patrimônio líquido estimado delas era o total de US$ 3,89 trilhões.

As mulheres estão assumindo mais o comando de empresas familiares e de estratégias de investimento, concluíram também UBS e PwC. Embora o número de homens com um patrimônio de pelo menos US$ 1 bilhão supere amplamente o de mulheres nessa categoria, a quantidade de mulheres bilionárias está crescendo mais rapidamente. Cerca de 80% das mulheres mais ricas obtêm seu patrimônio por meio de herança ou casamento, disse o estudo, mas uma porcentagem cada vez maior constrói sua fortuna por conta própria, especialmente na Ásia.

"Acreditamos que no futuro haverá mais e mais mulheres bilionárias que construíram a própria riqueza", disse Mathews.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos