Bolsas

Câmbio

Possível saída do Reino Unido da UE divide Pimco e Pioneer

Anchalee Worrachate e Manisha Jha

(Bloomberg) -- Algumas das maiores gestoras de recursos do mundo poderão se anular mutuamente no mercado de bônus soberanos do Reino Unido. As possíveis consequências da saída da União Europeia dividem a comunidade de investimentos.

A Pacific Investment Management Co., com US$ 1,43 trilhão em ativos, vê a perspectiva de os britânicos votarem pelo fim da adesão à UE no plebiscito de 23 de junho como positiva para a dívida soberana do Reino Unido porque seria um prenúncio de taxas de juros mais baixas por mais tempo. A Pioneer Investments, que administra mais de US$ 200 bilhões, afirma estar inclinada a vender se pressentir a vitória do voto pela saída.

A percepção dos investidores estrangeiros sobre o risco de o Reino Unido deixar o maior mercado comum do mundo é crucial para os britânicos, que precisam financiar os déficits fiscal e em conta corrente.

Para a Pimco, que vê probabilidade de até 40 por cento de o Reino Unido deixar a UE, a decisão afeta a postura do Banco da Inglaterra em relação à política monetária. Contratos futuros já sinalizam apostas de que não haverá aumento na taxa de juros em 2016, o que colaborou para a queda do rendimento dos gilts (títulos do Tesouro britânico) com prazo de 10 anos para 1,37 por cento na segunda-feira, às 12h54, horário de Londres -- apenas 0,14 ponto percentual acima da mínima recorde atingida em 11 de fevereiro.

"Se o Reino Unido sair da UE, isso adiaria bastante qualquer debate sobre um novo aumento das taxas de juros", disse Michael Amey, gerente de portfólio da Pimco em Londres, em entrevista. Amey afirmou em relatório divulgado no início deste mês que um cenário como esse seria "otimista" para os bonds soberanos do Reino Unido.

Gilts versus libra

O primeiro-ministro David Cameron definiu a data do plebiscito após garantir um acordo para alterar as responsabilidades da Grã-Bretanha como integrante da UE. Até o momento, os gilts se mostraram relativamente resistentes na comparação com a libra esterlina, que tem suportado o peso da incerteza maior no período que antecede o plebiscito. Bonds são mais complexos que moedas, produzindo uma maior divisão entre os investidores, que precisam ponderar fatores que vão desde a nova oferta de papéis até o risco de duração, que mede a sensibilidade de um bond a oscilações nos juros.

A probabilidade de recessão econômica sobe para 40 por cento na eventualidade de uma decisão pela saída, segundo os participantes de uma pesquisa da Bloomberg. O resultado contrasta com um risco de apenas 13 por cento previsto na pesquisa mensal mais recente.

Para a Pioneer Investments, entre as possíveis razões para a venda de gilts estão a piora dos déficits, a possibilidade de venda no mercado internacional, um rebaixamento da classificação de risco soberano e incerteza política. A instituição informa que suas exposições aos gilts e à libra estão "estáveis".

"Uma saída da UE levará a uma redução na atividade econômica porque as decisões de investimento são adiadas e as empresas estudam os benefícios de realocação em países dentro da UE", disse Cosimo Marasciulo, chefe de títulos soberanos da Pioneer em Dublin. "Isso provavelmente levará a crescimento mais baixo e aumento na razão dívida-PIB do Reino Unido, o que não será positivo para a avaliação dos gilts".

Desde que Cameron definiu a data do plebiscito, em 20 de fevereiro, os gilts deram retorno de 0,1 por cento até 26 de fevereiro, o mesmo dos títulos do Tesouro dos EUA, enquanto os bonds alemães renderam 0,4 por cento aos investidores.

A libra esterlina, por outro lado, atingiu o nível mais baixo em relação ao dólar desde 2009 com o aumento da volatilidade.

"Para os investidores internacionais, a forma mais clara de expressar qualquer preocupação em relação ao mercado do Reino Unido é por meio da libra", disse Dean Turner, economista do UBS Wealth Management, que gerencia cerca de US$ 2 trilhões. "A combinação de acontecimentos globais provavelmente será um fator mais dominante para o mercado de gilts."

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos