Análise:Escolas no Brasil viram palco de batalha política

Mac Margolis

(Bloomberg) -- A presidente Dilma Rousseff está a ponto de ser afastada do cargo. Um escândalo atual de corrupção sacudiu o país, e parece que todo o poder político está em guerra com si mesmo. Você poderia esperar que a educação exercesse então uma influência moderadora sobre o País, ensinando os estudantes a pensar de forma crítica e apaziguando suas paixões partidárias.

Boa sorte com isso. Nos dias de hoje, as escolas brasileiras foram consumidas pelo pânico nacional. Em vez de fomentar a indagação acadêmica, as salas de aula costumam ser campos de batalha política, com os estudantes envolvidos na discussão.

Se isso soa exagerado, dê uma olhada no programa escolar. Em uma análise recente de dez dos livros didáticos de História aprovados pelo governo, Fernando Schüler, que ensina Ciência Política no Insper, da Universidade de São Paulo, encontrou uma agenda previsível. Ele contou que em cada um dos livros didáticos que leu, há uma tendência clara para a esquerda. Ele diz que o mundo está dividido, como em um filme de 'Guerra nas Estrelas', entre forças escuras e luz, e os progressistas sociais confrontam os defensores do capital internacional e do neoliberalismo.

Analise as informações sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995 - 2002), que foi tanto adorado quanto odiado por sua era de reformas estruturais abrangentes. Em "História Geral do Brasil", um clássico em escolas públicas e particulares de ensino médio e fundamental, os estudantes leem sobre um líder "mais comprometido com as finanças internacionais", cujas diversas políticas de livre-mercado provocaram "aumento do desemprego", "desindustrialização", "estagnação econômica" e desigualdades sociais "gritantes". Outro texto afirma que FHC passou o segundo mandato "sem implementar nenhuma reforma ou política importante".

Nenhuma palavra sobre FHC ter estabilizado a moeda, pago dívidas e defendido muitas emendas importantes para reformar a constituição perdulária em seu primeiro mandato. Nem sobre ele ter, no segundo, iniciado a reforma da Previdência, lançado um programa de transferência de fundos para beneficiar estudantes pobres ou criado a lei de responsabilidade fiscal (a mesma que Dilma é acusada de violar) para manter em ordem os gastos do governo.

O sucessor de FHC, Luiz Inácio Lula da Silva, líder do partido de esquerda PT, recebe um tratamento muito mais gentil quando se fala de seu investimento social agressivo, dos projetos de desenvolvimento liderados pelo governo e da política estrangeira insubordinada aos EUA. Mas os estudantes não vão ouvir falar que Lula só se elegeu depois de se livrar da mania de atacar o capitalismo e de se comprometer a manter a economia da era FHC. Também não lerão sobre o boom mundial das commodities que sustentou os generosos programas sociais de Lula.

O tratamento que os livros didáticos dão à história contemporânea da América Latina também se resume a uma batalha entre o bem e o mal. Os autores diretamente, e previsivelmente, denunciam os EUA pelo apoio concedido às juntas militares no Brasil, na Argentina e no Chile. Mas ninguém encontrará nessas páginas uma palavra de censura à ditadura cubana de Fidel Castro, nem sobre o governo autocrático de Hugo Chávez na Venezuela - "um centro que desafia o capitalismo global liderado pelos Estados Unidos", como diz um dos livros.

O fato de que os campi universitários sejam incubadoras de indignação contra o sistema não é surpresa para ninguém dos EUA ou da Europa. Mas vender uma agenda política para estudantes do ensino médio e até do ensino fundamental, especialmente nas escolas públicas, que são financiadas pelo dinheiro do contribuinte, é outra história. E o problema vai além dos livros didáticos. No ano passado, por exemplo, um influente sindicato de professores do Rio Grande do Sul convenceu as escolas públicas estatais a reduzir o turno para que os estudantes pudessem participar de "aulas de cidadania" organizadas por educadores com demanda salarial.

Recentemente, a questão da parcialidade na sala de aula chamou a atenção no estado do Mato Grosso onde o MPF abriu um inquérito com o Ministério da Educação. O procurador da República Cleber Neto diz que a educação nunca é neutra, mas precisa ser imparcial. Segundo ele, existe preocupação com possíveis violações dos direitos constitucionais e ele pede que o Ministério justifique a escolha desses livros. As autoridades ainda não concluíram essa tarefa.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial nem da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos