Bolsas

Câmbio

Anglo vende negócio de nióbio e fosfato no Brasil por US$ 1,5 bi

Thomas Biesheuvel

(Bloomberg) -- A Anglo American acertou a venda dos negócios de nióbio e fosfato, ambos no Brasil, por US$ 1,5 bilhão em dinheiro. É a primeira venda da gigante da mineração desde o anúncio de um plano de redução de dívidas e de recuperação de um negócio que passa por dificuldades.

A China Molibdênio concordou em comprar a divisão e a transação deverá ser concluída no segundo semestre deste ano, disse a Anglo, que tem sede em Londres, em um comunicado na quinta-feira.

O acordo faz parte do plano de recuperação estabelecido pelo presidente Mark Cutifani depois que a queda dos preços das commodities globais colocou a Anglo como a ação de pior desempenho do índice FTSE 100 em 2015. A empresa está vendendo mais da metade de suas minas e abandonando negócios de minério de ferro e carvão para se concentrar em diamantes, platina e cobre, ativos que são mais rentáveis. Esta decisão, somada à recuperação dos preços das matérias-primas, levou a mineradora a mais do que duplicar seu valor neste ano.

"O preço atingido está acima das expectativas", disse Paul Gait, analista da Sanford C. Bernstein. "O fato de isto estar sendo anunciado agora deverá gerar tranquilidade de que esse processo de reestruturação é muito real e está em sua fase de execução".

O Bank of America disse em uma nota, na quinta-feira, que havia avaliado a empresa em US$ 800 milhões a US$ 1,1 bilhão, enquanto a Investec calculou o valor líquido presente da companhia em US$ 991 milhões. A unidade de nióbio, um metal utilizado para produzir aços especiais, opera uma mina e três instalações de processamento. A de fosfatos inclui uma mina, plantas de processamento e complexos químicos.

Redução de dívidas

A Anglo planeja levantar US$ 3 bilhões a US$ 4 bilhões por meio da venda de ativos neste ano para reduzir sua dívida para menos de US$ 10 bilhões. Embora a empresa já tenha se desfeito de ativos do setor de carvão por valores nominais, esse acordo é o primeiro grande passo para atingir essa meta.

Em fevereiro, a empresa concretizou planos que incluíam o corte de 85.000 postos de trabalho e a suspensão de dividendos. Além disso, está em processo de venda de seus negócios de níquel no Brasil e das minas de carvão da Austrália e da África do Sul. Cutifani disse aos investidores na semana passada que a Anglo havia escolhido assessores e conversado com possíveis compradores desses ativos.

"Segundo o cronograma estabelecido pela empresa em sua declaração de resultados, deveríamos esperar alguma combinação de novas vendas de ativos de carvão e níquel na composição do restante da meta de 2016", disse Gait.

Ações da Anglo

As ações da Anglo atingiram o maior valor em oito meses na semana passada, recuperando-se da queda de 75 por cento do ano passado.

O negócio de nióbio e fosfato registrou vendas de US$ 544 milhões no ano passado com lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização de US$ 146 milhões. A empresa produziu 6.300 toneladas de nióbio e 1,3 milhão de toneladas de concentrado fosfático.

O Deutsche Bank e o Barclays assessoraram a China Molibdênio e o Goldman Sachs e o Morgan Stanley assessoraram a Anglo American.

A Cia. Brasileira de Metalurgia e Mineração, controlada pela bilionária família Moreira Salles, domina a oferta de nióbio após o início das operações, em 1961. A CBMM, como é conhecida a empresa de Araxá, Minas Gerais, vendeu uma participação de 30 por cento para um grupo de siderúrgicas asiáticas em duas transações avaliadas em US$ 3,9 bilhões em 2011.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos