Bolsas

Câmbio

Goldman alerta para aumento de excedente de minério de ferro

Bloomberg News

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs alertou que o mercado global de minério de ferro enfrentará um excedente maior porque as mineradoras deverão ampliar sua oferta em meio à desaceleração da produção de aço da China, prevendo que os preços provavelmente cairão para menos de US$ 40 a tonelada com a expansão dos estoques.

"Estimamos que o superávit crescente da oferta internacional estimulará o aumento dos estoques portuários", escreveram os analistas Christian Lelong e Amber Cai em nota recebida na sexta-feira. "Os estoques deverão crescer com o aumento gerado pela nova capacidade de mineração no segundo semestre de 2016 e com a queda da demanda chinesa".

Os preços de referência caíram novamente para menos de US$ 50 nesta quinta-feira, para o nível mais baixo desde fevereiro, devido ao temor de que as margens de lucro das siderúrgicas da China possam estar novamente entrando em colapso, prejudicando a perspectiva para a demanda por minério de ferro em um momento em que as mineradoras continuam ampliando a oferta. Entre fevereiro e abril o minério de ferro aproveitou o fato de a recuperação do crédito na China ter elevado os preços do aço, provocando o renascimento da produção das siderúrgicas. O frenesi especulativo dos investidores locais se somou aos avanços, provocando repressão de órgãos reguladores e de bolsas de valores.

Na China, "a breve melhora da rentabilidade fez com que muitos altos fornos fossem religados", segundo os analistas, que disseram que atualmente existe um excesso de oferta de aço. A produção de aço provavelmente terá uma trajetória descendente no restante do ano, em linha com as tendências históricas, disseram eles na nota de 26 de maio.

Perspectiva para o preço

O Goldman disse que previa o minério de ferro a US$ 55 a tonelada neste trimestre e a US$ 45 a tonelada entre julho e setembro, repetindo as projeções feitas pelo banco com sede em Nova York em um relatório do início deste mês. Nos últimos três meses do ano, segundo o Goldman, o minério de ferro é visto agora em US$ 38 a tonelada, US$ 2 menos que o número fornecido no relatório anterior.

Existem sinais de aumento da oferta. Os estoques portuários da China subiram 0,2 por cento nesta semana, para 100,65 milhões de toneladas, nível mais alto desde dezembro de 2014, segundo a Shanghai Steelhome Information Technology. As produtoras internacionais deverão enviar mais carregamentos à China neste trimestre e no próximo, segundo a Huatai Futures.

"O excesso de oferta [de minério de ferro] deverá se estender ao restante de 2016 graças ao aumento planejado de capacidade", disse o Citigroup em nota no início da semana, citando as quatro maiores exportadoras -- Rio Tinto, BHP Billiton, Vale e Fortescue Metals Group --, além do empreendimento de Pilbara apoiado pela bilionária Gina Rinehart. "Continuamos pessimistas em relação ao minério de ferro", disse o Citigroup.

Título em inglês: Goldman Warns on Swelling Iron Ore Surplus as Miners Add Supply

--Com a colaboração de Ranjeetha Pakiam Para entrar em contato com o repórter: Jake Lloyd-Smith em Cingapura, jlloydsmith@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Telma Marotto tmarotto1@bloomberg.net, Patricia Xavier

©2016 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos