Bolsas

Câmbio

Goldman vê aumento de saída de capitais da China

Bloomberg News

(Bloomberg) -- O fim de uma posição temporária ideal para a taxa de câmbio da China - força frente ao dólar e fraqueza frente aos sócios comerciais --vai estimular novos fluxos de saída de capitais, disse o Goldman Sachs/Gao Hua Securities.

Como os EUA elevarão as taxas de juros e a pressão para que a China flexibilize a política monetária está aumentando, os fluxos de saída de dinheiro vão acelerar, disse Song Yu, economista do Goldman Sachs/Gao Hua para a China.

O yuan caiu 1,6% neste mês frente ao dólar, porque as autoridades monetárias estabeleceram a fixação diária da moeda no patamar mais fraco em cinco anos nesta segunda-feira, e subiu 0,2% frente a uma cesta de outras moedas.

O recuo do yuan faz com que investidores e analistas fiquem atentos a qualquer reprise da turbulência desencadeada por uma desvalorização inesperada em agosto, que gerou o valor estimado de US$ 1 trilhão em fluxos anuais de saída de capitais, isto é, a volatilidade que agitou os mercados globais em janeiro.

Desta vez, o crescimento dos fluxos de saída não provocará o mesmo susto porque o Banco Popular da China (PBOC, na sigla em inglês) conta com muitas ferramentas de política econômica para administrar a depreciação, disse Song.

"É provável que o governo recorra ao que fez no segundo semestre do ano passado e no início deste ano, acrescentar restrições e intensificar a regulação dos fluxos de fundos", disse Song, que trabalha em Pequim, em entrevista no dia 26 de maio.

"No entanto, isso é como o jogo de gato e rato - toda vez que o governo consegue tampar um buraco pelo qual o capital vaza, as pessoas sempre podem cavar outro buraco para tirar o dinheiro depois de um tempo".

Fluxos de saída

A China vem combatendo os canais ilícitos utilizados para tirar dinheiro do país, com medidas como restringir as aquisições de produtos de seguros no exterior e impedir que amigos e familiares juntem suas cotas anuais de US$ 50 mil para exportar grandes montantes de dinheiro.

Contudo, empresas e poupadores continuam movimentando dinheiro pela fronteira, por exemplo, através de Hong Kong com o que se suspeita que sejam faturas comerciais falsificadas.

Um ressurgimento dos fluxos de capitais tornaria mais caro para as empresas o pagamento de dívidas em dólares, reduziria a disposição dos gerentes globais de fundos a investir no yuan e reacenderia as operações especulativas.

O PBOC consumiu US$ 513 bilhões de suas reservas de moeda estrangeira para sustentar a taxa de câmbio no ano passado, antes que o crescimento da confiança do mercado ajudasse a estimular um aumento modesto das reservas em março e abril.

"O yuan se depreciará gradualmente", disse Song. "O principal impulsionador do declínio seria um fortalecimento do dólar por causa da expectativa de que o Fed aumentará as taxas de juros. Projetamos dois aumentos das taxas neste ano, um em junho, julho ou setembro, e outro em dezembro".

--Com a colaboração de Enda Curran 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos