Mais de 5 navios de GNL vão cruzar Canal do Panamá por semana

Michael McDonald e Naureen S. Malik

(Bloomberg) -- O Panamá disse estimar a travessia de 20 milhões de toneladas de gás natural liquefeito (GNL) pelo seu canal a cada ano após a abertura da nova passagem aquaviária, mais larga, neste mês. O número representa a travessia de quase um navio-tanque de gás por dia, segundo cálculos da Bloomberg.

"O canal abre a possibilidade para que o gás chegue aos mercados asiáticos de forma mais competitiva porque a rota pelo Canal do Panamá é a mais curta", disse Manuel Benítez, vice-administrador da autoridade do canal, em entrevista, na Cidade do Panamá, na quarta-feira. "Nós já vimos que muitos navios-tanque muito grandes de gás já fizeram reservas".

A expansão do canal, que custou US$ 5,3 bilhões, deverá ser inaugurada em 26 de junho, o que permitirá a passagem dos enormes navios-tanque que transportam gás natural liquefeito. Sua estreia é positiva para as produtoras de gás americanas porque a rápida expansão do xisto provocou o aumento da oferta doméstica e as empresas de exploração estão buscando enviar seu combustível para o mercado internacional.

O canal expandido ajudará as produtoras de gás dos EUA reduzindo o tempo de navegação para os mercados da Ásia, segundo Skip Aylesworth, que administra US$ 1,5 bilhão em ativos na Hennessy Funds em Boston e possui ações da produtora de GNL Cheniere Energy.

Dez dias

"Ajuda a empresa de navegação poder cortar a viagem em dez dias em vez de contornar a América do Sul", disse Aylesworth, na quarta-feira, em entrevista por telefone. "É mais rentável para o remetente e é bom para a Cheniere".

O volume projetado pela Autoridade do Canal do Panamá representa cerca de 8 por cento do comércio global de GNL e é equivalente a 300 navios por ano, disse Anastacia Dialynas, analista da Bloomberg New Energy Finance. No ano que vem, os EUA exportarão cerca de 8 milhões de toneladas, disse ela.

Os preços no Pacífico atualmente não estão altos o suficiente para criar uma grande oportunidade de arbitragem para enviar gás da Costa do Golfo dos EUA para os mercados asiáticos, segundo Madeline Jowdy, diretora global de gás e GNL da PIRA Energy Group em Nova York. Os preços do GNL na Ásia e na Europa caíram em linha com os preços do petróleo, o aumento da nova capacidade de exportação de gás e o enfraquecimento da demanda da China e de outros mercados asiáticos.

"A maior parte do GNL produzido nos EUA continuará na Bacia do Atlântico no futuro próximo por causa do colapso do preço e do enorme volume que aparecerá na Ásia", disse Jowdy. "Não há oportunidades de arbitragem".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos