Bolsas

Câmbio

Análise: Como o dólar vai reagir no Brasil quando o BC dos EUA subir os juros?

Josué Leonel

  • Carlos Severo/ Fotos Públicas

(Bloomberg) -- Uma das principais perguntas "que valem um milhão de dólares" no mercado agora é como o dólar vai reagir no Brasil quando o Fed (Federal Reserve, o BC dos EUA) subir os juros.

Espera-se que a taxa norte-americana suba em dezembro. Os investidores aguardam as sinalizações da presidente do Fed, Janet Yellen, que fala na sexta-feira (26) em um simpósio do banco central norte-americano em Jackson Hole, confirmando ou não esta expectativa.

Para a maioria dos analistas do mercado, a reação do real e outras aplicações brasileiras à alta dos juros do Fed vai depender, em boa parte, da situação política e econômica no Brasil.

Quando o Fed subiu os juros pela última vez, entre 2004 e 2006, o dólar caiu contra o real, e não subiu como era de se esperar. Em parte, isso ocorreu graças à China, que crescia mais de 10% ao ano, um fator que não está mais presente hoje.

Outro motivo foi a elevada confiança no país, com o governo Lula surpreendendo os investidores com uma política econômica pró-mercado tocada pela dupla Palocci-Meirelles.

Mudança política

Assim como ocorreu 12 anos atrás no governo Lula, uma eventual alta dos juros agora também pode surpreender o Brasil em um momento de mudança política.

Caso se confirme o impeachment de Dilma Rousseff, o mercado acredita que o governo Temer poderá avançar com uma agenda de reformas vistas como cruciais para tirar o país da crise, como a da Previdência, além da definição de um teto para os gastos públicos.

A grande questão é se o impeachment e as reformas já foram precificados ou não pelo investidor, diz Adriana Dupita, economista-sênior do Banco Santander.

Para ela, a forte queda do dólar neste ano sugere que sim. Ela considera que o dólar ainda poderá cair mais, eventualmente para R$ 3, logo após o impeachment, mas retomando a alta até o final do ano para R$ 3,65.

A manutenção do dólar em nível baixo por muito tempo poderia levar a um aumento do deficit em conta-corrente, deixando o Brasil fragilizado para o momento em que o Fed elevar os juros, diz Dupita. "A melhor posição que um país pode ter quando o Fed sobe os juros é mostrar um deficit em conta-corrente baixo".

Dólar entre R$ 2,80 e R$ 2,90

A reação do câmbio deve depender da magnitude da alta do juro do Fed e também do nível dos juros de outros bancos centrais. Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra, espera que o dólar caia entre R$ 2,80 e R$ 2,90 com o impeachment de Dilma e as reformas de Temer atraindo investidores.

Se o Fed elevar os juros, a moeda pode subir no final de 2016, mas para apenas R$ 3,10, abaixo do nível atual, uma vez que a oferta global ainda continuará abundante, diz o economista. Na pesquisa Focus, as expectativas para câmbio ao final deste ano estão em R$ 3,30.

Uma questão que parece dividir os analistas é o impacto de uma alta dos juros americanos no "carry trade", que são as operações em que o investidor estrangeiro toma empréstimo em países com juros baixos, aplica onde as taxas são maiores e ganha com a diferença entre os juros no rendimento.

John Welch, do Canadian Imperial Bank of Commerce, observa que o juro norte-americano ainda será muito menor que o brasileiro, mesmo que o Fed eleve a sua taxa, hoje em 0,5% ao ano. "O aperto do Fed em dezembro não deve influenciar. É muito distante 14,25% de 0,75%".

Janela fechada

Maurício Oreng, estrategista do banco Rabobank, está entre os participantes do mercado que esperam um impacto mais considerável da alta de juros nos EUA. A alta reduziria o apetite dos investidores pelo "carry trade", diz Oreng, que projeta um dólar a R$ 3,50 no final do ano.

"Se a Yellen subir o juro e o governo ao mesmo tempo não estiver avançando com as reformas, o humor do mercado vai azedar", adverte Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil.

Ele lembra que os juros baixos praticados nos EUA e outros países ricos funcionaram como uma janela de oportunidade para os países emergentes nos últimos meses. Quando o Fed subir os juros, essa janela vai se fechar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos