Bolsas

Câmbio

Elliott planeja injetar até R$ 10 bi em capital na Oi, dizem fontes

Cristiane Lucchesi

(Bloomberg) -- A Elliott Management, empresa de hedge fund liderada pelo bilionário Paul Singer, negocia o investimento de até R$ 10 bilhões (US$ 3 bilhões) na Oi, a empresa brasileira de telefonia que entrou com pedido de recuperação judicial, segundo duas pessoas com conhecimento direto do assunto.

Os recursos seriam separados para quitar dívidas e para investimentos, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque o assunto é privado. O objetivo é manter a empresa intacta e reduzir sua dívida de US$ 20 bilhões, disseram.

A Elliott tenta elaborar um plano de reestruturação que possa vencer as discussões com credores e acionistas. A proposta não vinculante é preliminar e o fundo ainda está realizando due diligence, disse uma das pessoas.

A empresa de Singer vê a oportunidade de agir como investidor independente porque os detentores de dívidas recusaram o plano de reestruturação da Oi, classificando-o como "desfavorável e provavelmente inaceitável" em um comunicado, no mês passado.

A Elliott, que tem sede em Nova York, preferiu não comentar.

Títulos conversíveis

A principal disputa é sobre o direito que a Oi teria, segundo seu plano de reestruturação, de resgatar os conversíveis dos detentores de títulos.

Os credores, representados pelo Moelis & Co., argumentam que a opção de resgate antecipado dá aos atuais acionistas o poder de evitar diluição em caso de a empresa conseguir se recuperar e ao mesmo tempo deixaria os investidores em títulos com um grande prejuízo se as coisas saírem mal.

A operadora com sede no Rio de Janeiro propôs a conversão de até R$ 32,3 bilhões das dívidas dos detentores de títulos em títulos conversíveis com um valor de face de R$ 10 bilhões.

Os detentores de títulos ficariam com 85 por cento da empresa se a Oi não pagasse a dívida em três anos -- deixando os atuais acionistas no controle da empresa até lá e em posição de se beneficiarem com uma possível recuperação, segundo os credores.

Dois dos maiores acionistas da Oi encerraram uma disputa legal por poder em 13 de setembro.

A Société Mondiale Fundo de Investimento em Ações, braço de investimento de Nelson Tanure, e a Pharol SGPS, maior acionista da Oi, concordaram em encerrar todas as queixas legais relacionadas a assembleias de acionistas que a Société Mondiale havia convocado para 8 de setembro, segundo comunicado da Pharol. Tanure recebeu dois assentos no conselho e encerrou as tentativas de convocar assembleias de acionistas.

A Oi entrou com o maior pedido de recuperação judicial da história do Brasil em junho e em setembro apresentou proposta para fechar acordo com quase 67 mil credores. O plano incluiu uma redução de até 70% no valor de seus títulos, além de vendas de ativos, novos recursos e a possibilidade de uma fusão ou separação.

O Globo reportou na terça-feira que representantes da Elliott se reuniram com integrantes do governo federal para discutir a proposta de injetar até R$ 10 bilhões na Oi, citando pessoas não identificadas familiarizadas com o assunto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos