Bolsas

Câmbio

Barclays escolhe Dublin como sede na UE após Brexit, dizem fontes

Stephen Morris e Neil Callanan

(Bloomberg) -- O Barclays escolheu Dublin como sua sede principal dentro da União Europeia após o Brexit e planeja contratar cerca de 150 funcionários por lá se as empresas financeiras com sede no Reino Unido perderem o acesso fácil ao bloco comercial, segundo pessoas com conhecimento da decisão.

O banco começou a procurar espaço de escritório na cidade neste mês e entrou em contato com órgãos reguladores irlandeses para expandir suas operações, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque os planos não são públicos. O Barclays está levando planos de contingência adiante para poder continuar atendendo os clientes da UE caso a primeira-ministra Theresa May não consiga fechar um acordo de transição ou permanente que preserve o acesso a Londres dentro do período de renegociação de dois anos.

"Esclarecemos repetidas vezes que planejaremos uma série de contingências relacionadas ao Brexit, incluindo a construção de uma capacidade maior nas nossas operações existentes em Dublin", informou o banco em comunicado. "A identificação dos espaços de escritórios disponíveis é parte necessária e previsível desse processo de planejamento contingencial."

Os bancos internacionais começaram a revelar mais detalhes de seus planos para transferir empregos e estabelecer novos escritórios dentro da UE depois que May indicou na semana passada que tirará o Reino Unido do mercado único e buscará outros acordos. As instituições financeiras estão mais preocupadas com um Brexit "perigoso", cenário no qual todo o acesso é eliminado após dois anos.

Entre os funcionários do Barclays transferidos ou contratados em Dublin podem estar gerentes seniores, especialistas em derivativos, traders de câmbio e profissionais de compliance e de recursos humanos, disse uma das pessoas. O banco não decidiu quando os funcionários serão transferidos ou as novas contratações serão realizadas e o cronograma é determinado pelo avanço das negociações após o acionamento do Artigo 50, no fim de março, que iniciará o período de dois anos do processo formal de saída.

O banco já possui cerca de 100 funcionários na divisão da Irlanda, que é administrada por Sasha Wiggins de seu escritório na parte sul do centro da cidade. Um porta-voz do Barclays preferiu não comentar os planos para a equipe.

O "plano A" com que o Barclays trabalha prevê o fechamento de um acordo e também que as instituições financeiras britânicas não terão que realocar serviços como liquidação de euros em subsidiárias que estejam dentro da UE, disse uma das pessoas. No entanto, devido à falta de clareza, os executivos precisam se preparar para o pior, disseram as pessoas. O banco estima que o planejamento de contingências iniciais custará cerca de 15 milhões de libras, incluindo comissões para advogados e agentes imobiliários, disseram as pessoas.

O Standard Chartered também abordou as autoridades irlandesas para transformar Dublin em sua base legal dentro da UE, disseram pessoas familiarizadas com as discussões em dezembro, enquanto o Credit Suisse estaria analisando opções de expansão na cidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos