CEO da AB InBev fica sem bônus após lucro menor que o esperado

Thomas Buckley

  • Bruno Fahy/AFP

    O CEO da AB InBev, Carlos Brito

    O CEO da AB InBev, Carlos Brito

(Bloomberg) -- O CEO da Anheuser-Busch InBev, Carlos Brito, ficará sem bônus pela primeira vez desde 2008 porque os resultados da fabricante da Budweiser foram inferiores às estimativas dos analistas pelo sétimo trimestre seguido.

O diretor financeiro da empresa, Felipe Dutra, também ficará sem bônus, informou a companhia com sede em Louvain, Bélgica, nesta quinta-feira (2), ao anunciar um aumento em sua meta de economia de custo que deixou alguns analistas decepcionados. A ação chegou a cair 3,3 por cento em Bruxelas.

Os resultados do quarto trimestre ficaram abaixo das estimativas em quase todos os níveis porque a cervejaria continua tendo dificuldades para lidar com a queda no Brasil, um mercado-chave.

Os números ajudam a explicar porque a empresa desembolsou US$ 103 bilhões por sua principal rival, a SABMiller. Na quinta-feira, a AB InBev elevou em US$ 350 milhões sua meta de economia de custo a partir da aquisição, para US$ 2,8 bilhões dentro de três a quatro anos, embora alguns analistas esperassem um aumento de US$ 600 milhões.

"É outro choque, mas esse é o nível mínimo", escreveu Eamonn Ferry, analista do Exane BNP Paribas. "Nós temíamos o pior neste trimestre, e ele aconteceu."

Os resultados ajustados do quarto trimestre antes de juros, impostos, depreciação e amortização caíram para US$ 5,25 bilhões, informou a empresa em um comunicado. Os analistas esperavam US$ 5,64 bilhões. A AB InBev informou também que espera incorrer em custos de US$ 900 milhões nos próximos três anos para atingir as metas de economia.

Brito se comprometeu com um desempenho melhor em 2017 com a aceleração do crescimento das receitas.

"Se você é dono de uma padaria e não ganha nenhum dinheiro em um ano, você não recebe bônus --é a mesma situação", disse ele, em entrevista coletiva em Louvain. "É depois de um ano ruim que você vê um esforço maior dos líderes."

O poder de compra no Brasil, maior mercado da AB InBev depois dos EUA, está despencando em meio ao desemprego recorde, que afeta fabricantes de bens de consumo como Nestlé e Unilever. As vendas menores e a queda na participação de mercado da AB InBev geraram uma baixa de 33% nos lucros do país.

"O Brasil é provavelmente um dos mercados mais competitivos nos quais operamos", disse Dutra, em conferência com jornalistas.

A renda no país deverá subir em 2017, o que será positivo para o consumo de cerveja, disse o diretor financeiro. Contudo, a cervejaria prevê que o real desvalorizado pesará sobre os resultados do primeiro semestre.

As raízes brasileiras da AB InBev são profundas. Brito, natural do Rio de Janeiro, se tornou CEO da AmBev, a fabricante local da Antarctica e da Brahma, em 2004 e nos anos seguintes a combinou com a belga Interbrew e assumiu o controle da Anheuser-Busch.

Mais da metade dos principais gerentes da empresa são brasileiros e entre os principais acionistas da AB InBev está Jorge Paulo Lemann, investidor brasileiro envolvido na abordagem malsucedida da Kraft Heinz para aquisição da Unilever.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos