Bolsas

Câmbio

Grande roubo de obras de arte está prestes a ser desvendado

Nina Siegal

(Bloomberg) -- O caso é considerado o maior roubo não solucionado de todos os tempos no mundo da arte: obras avaliadas em US$ 500 milhões ? incluindo quadros de Rembrandt, Vermeer, Degas e Manet ? foram levados do Isabella Stewart Gardner Museum em Boston no dia 18 de março de 1990 por dois homens que se fizeram passar por policiais.

O museu tinha oferecido US$ 5 milhões de recompensa pela devolução de todas as 13 obras em perfeitas condições. No mês passado, de forma repentina e inesperada, a recompensa dobrou para US$ 10 milhões.

Tratando-se de um caso não resolvido há tanto tempo, é surpreendente que a investigação sobre o desaparecimento dessas obras de arte, que incluem quadros, um vaso chinês e um remate do século 19 em forma de águia, esteja tão ativa. Anthony Amore, diretor de segurança do museu, diz que trabalha no caso todos os dias e que está "em contato praticamente constante" com os investigadores do FBI. Sempre surgem novas pistas, que variam de aspectos vagamente interessantes a coisas simplesmente bizarras. Entre elas: um médium que se ofereceu para entrar em contato com o espírito da Sra. Gardner e alguns detetives independentes que supõem que os quadros podem ser encontrados com detectores de metal.

A maioria das pistas não dá em nada. Se as obras algum dia serão recuperadas, ou se sequer continuam existindo, é uma das maiores dúvidas do mundo da arte.

"Esses quadros já eram", disse Erin Thompson, professora de crimes relativos à arte na Faculdade de Justiça Criminal John Jay em Nova York. "Ou porque foram destruídos imediatamente depois do roubo ou porque foram danificados ao serem transportados em porta-malas."

Mas um detetive independente que conta com o respeito de Amore ? Arthur Brand, um investigador particular holandês ? acredita que as obras continuam intactas e que ele conseguirá recuperá-las. Neste ano.

"É quase certo que as obras ainda existem", disse Brand. "Estamos seguindo duas pistas, ambas direcionadas à Holanda, e estamos negociando com determinadas pessoas."

Brand, 47, se tornou um dos principais especialistas do mundo em crimes internacionais relacionados com obras de arte. Um jornal britânico disse que ele é o "Indiana Jones do mundo da arte", por sua enorme habilidade de negociação e por seus instintos excepcionais para encontrar obras roubadas.

Brand age como uma espécie de mediador entre criminosos e a polícia. Motivo de polêmica, ele tenta fechar acordos que possibilitam que os criminosos saiam ilesos, porque acredita que o principal objetivo é salvar as obras de arte.

"Para mim, não se trata de colocar alguém atrás das grades", disse ele. "Não estamos falando de assassinatos. Não importa se quem está com as obras é um grande criminoso ou o papa. O importante é recuperá-las."

Brand diz que o caso poderá ser resolvido nos próximos meses. Ele não quis entrar em detalhes, mas, se suas pistas forem boas, ele diz que precisará agir com rapidez.

Amore também diz que ele e o FBI poderiam estar perto de resolver o caso e que têm pistas que estão "diminuindo o palheiro". Ele também não quis entrar em detalhes. "Sentimos que estamos no caminho certo", disse ele.

Título em inglês: How to Get Your Stolen Art Back

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos