Bolsas

Câmbio

Esta é uma herança que você não quer receber

Suzanne Woolley

(Bloomberg) -- Você pode ter recebido uma grande herança, mesmo que não esteja ciente disso: a forma como você lida com seu dinheiro.

Professores de Economia da Universidade de Copenhague descobriram que, se um dos pais esteve inadimplente em um empréstimo ao final do ano (o estudo analisou dados de 2004 a 2011), a chance de inadimplência para seus filhos era mais de quatro vezes maior que para aqueles cujos pais eram um modelo de comportamento financeiro. A tendência está presente em todos os níveis de renda dos pais, saldos de empréstimos e outros indicadores, inclusive a inteligência.

O estudo analisou cerca de 30 milhões de empréstimos pessoais de cerca de 5 milhões de dinamarqueses entre 18 e 45 anos. Essas informações foram vinculadas a dados do governo, como o nível de renda e escolaridade dos mutuários e de seus pais.

A principal conclusão: a proporção de pessoas na faixa dos 30 anos em problemas financeiros ? estreitamente definidos neste estudo como pelo menos 60 dias de atraso em um empréstimo no final do ano ? foi de 5 por cento entre aqueles cujos pais não apresentaram nenhum sinal semelhante de problemas financeiros. Para os filhos de pais cujos registros apresentavam problemas financeiros, a proporção foi de 23 por cento.

O estudo segue-se a outras pesquisas que concluíram que as atitudes de risco parecem ser transmitidas de uma geração a outra. Não foi possível descartar a chance de que choques de saúde duradouros tenham provocado um efeito sobre a renda que se transferiu para a geração seguinte, mas o estudo encontrou evidências de que choques comuns compartilhados e ligados ao ciclo econômico, como um pai e um filho desempregados ao mesmo tempo, não foram causas prováveis para essa correlação.

Um estudo anterior que respalda a pesquisa de Copenhague concluiu que filhos adotivos de pais que assumem mais riscos de investimento em suas carteiras tendem a tomar decisões financeiras para suas próprias carteiras que refletem níveis de risco semelhantes. A conclusão é que a educação desempenha um papel substancialmente maior do que a natureza na tomada de riscos financeiros entre pais e filhos.

Isso não quer dizer que nossa herança genética não desempenha nenhum papel. Um estudo realizado em 2015 com gêmeos idênticos e fraternos na Suécia concluiu que "as diferenças genéticas explicam cerca de 33 por cento da variação nas propensões de poupança em indivíduos", determinando que a criação interfere nas diferenças de comportamento de poupança dos gêmeos no começo, mas que esse efeito diminuiu com o tempo. Os pesquisadores usaram métodos diferentes dos empregados pelos professores de Copenhague.

Os autores de Copenhague também concluíram que, para a mesma taxa de juros, a incidência padrão era substancialmente maior para aqueles cujos pais estavam inadimplentes. Os empréstimos com uma taxa de juros de 5 por cento tiveram uma probabilidade de inadimplência nos sete anos seguintes de 0,5 por cento se um pai não esteve inadimplente em 2004, mas a probabilidade aumentou para 1,75 por cento se um pai estivesse naquela situação, afirmaram os autores.

Isso significa que "indivíduos cujos pais não estão em situação de inadimplência em média pagam uma multa de juros para cobrir as perdas incorridas por indivíduos que dão calote porque adotaram o comportamento financeiro de seus pais", constatou o estudo. Isso ocorre porque os dois tipos de mutuários pagam a mesma taxa, caso tudo o mais seja igual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos