Japonesas ouvem chamado de Abe, mas trabalham meio período

Connor Cislo

(Bloomberg) -- O mercado de trabalho do Japão mostra o maior aperto em décadas, segundo os dados mais recentes do Ministério do Trabalho. O desemprego iguala o menor patamar em duas décadas, de 2,8 por cento, e a proporção de empregos por candidato é a mais alta desde meados da década de 1970.

Conseguir colocar mais mulheres na força de trabalho é uma forma de diminuir a escassez que esses números representam e é uma das metas do primeiro-ministro, Shinzo Abe. Ele sabe que, com uma sociedade envelhecida, o Japão precisa de mais pessoas trabalhando para manter o avanço econômico.

Embora tenha havido algum sucesso no plano de levar mais mulheres ao mercado de trabalho, o problema é que muitas delas estão ocupando empregos com baixos salários, de meio período e temporários em vez de se unirem às fileiras de funcionários assalariados com empregos de tempo integral do Japão.

E apesar de o salário de quem trabalha meio período ter crescido de forma constante, isso não significa que elas realmente estão levando mais dinheiro para casa. À medida que os salários aumentaram, os trabalhadores de meio período passaram consistentemente a trabalhar menos horas, o que significa que sua renda permaneceu praticamente inalterada.

Uma explicação para esta tendência é a dedução de impostos e as regras de bem-estar social que incentivam os cônjuges a limitarem sua renda para que a família possa diminuir a carga tributária total.

E a falta contínua de creches não está ajudando as mulheres a aceitarem empregos em tempo integral.

Assim, embora tenha havido progresso, ainda há muito trabalho a fazer para utilizar plenamente as ferramentas e habilidades de uma grande parte da força de trabalho do Japão -- as mulheres desempregadas e subempregadas.

Para entrar em contato com o repórter: Connor Cislo em Tóquio, ccislo@bloomberg.net.

Para entrar em contato com a editora responsável: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net.

©2017 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos