PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Amazon ensina Alexa a falar inglês com sotaque indiano

Saritha Rai

31/10/2017 14h31

(Bloomberg) -- A Amazon.com está começando a aprender a falar hinglish, uma mistura de hindi e inglês.

A empresa de comércio eletrônico dos EUA começa a vender alto-falantes Echo na Índia nesta semana, cerca de um ano depois de lançá-los em mercados estrangeiros como Reino Unido e Alemanha. Nesse período, equipes de linguistas, cientistas da fala, desenvolvedores e engenheiros fizeram uma adaptação local da Alexa, a assistente virtual desse alto-falante.

Esta versão da Alexa mistura hindi com inglês e fala com um sotaque inconfundivelmente indiano. Ela sabe que o Dia da Independência é 15 de agosto, em vez de 4 de julho, e deseja aos usuários "um Diwali feliz e um próspero Ano-Novo". Ela também se refere à sala de estar como "sala de visitas" e pode adicionar jeera (cominho), haldi (açafrão) e atta (farinha) à sua lista de compras. Além do mais, ela faz piadas sobre críquete (nem queira saber).

"Queríamos que nossos dispositivos parecessem indianos na forma de falar e agir", disse Parag Gupta, chefe de gerenciamento de produtos da Amazon Devices na Índia. "A Alexa não é uma americana de visita, ela tem uma personalidade muito indiana."

A Amazon não é a única. Gigantes da tecnologia como Apple e Google estão de olho nesse país de 1,3 bilhão de habitantes e estão treinando seus assistentes virtuais na heterogeneidade de seus idiomas e subculturas. Embora muitas pessoas entendam o inglês americano ou britânico, elas se sentem mais à vontade com assistentes que soam mais como elas.

O hinglish é composto por partes de ambos os idiomas, inclusive na gramática. Em alguns casos, palavras se fundem para ter outro significado. O segredo é que a assistente digital entenda uma frase que utilize uma mistura de ambos e que compreenda o que eles significam e o contexto.

O hinglish é particularmente importante em um momento em que a tecnologia não se limita às principais cidades e se espalha também pelo interior da Índia, onde a queda dos preços está estimulando a adoção de smartphones e internet. Muitos usuários são alfabetizados de primeira geração obcecados por filmes de Bollywood e jogos de críquete e estão começando agora a usar pagamentos digitais, comércio eletrônico e redes sociais. Um inglês impecável não daria certo.

"As empresas globais percebem que a Índia tem várias populações, cada uma do tamanho de países inteiros da Europa, que não vão ser alcançadas com o inglês americano", disse Ravi Gururaj, empresário e cofundador da Harvard Angels India que mora em Bangalore. "Elas precisam se adaptar com o hinglish."

A Alphabet apresentou um Google Assistant que fala hinglish no aplicativo de mensagens instantâneas Allo. A Apple começou a publicar no ano passado anúncios para contratar falantes nativos de hindi e de inglês indiano para ajudar a aprimorar e enriquecer a Siri criando "diálogos apropriados culturalmente para a Índia". E o mais recente sistema operacional pré-carregado no iPhone 8, lançado neste ano, bem como no mais novo iPhone X, permite que usuários da Siri configurem o teclado para hinglish.

"As interfaces baseadas em voz estão surgindo rapidamente e como Amazon, Apple, Google e outras querem usá-las para aumentar o alcance e a praticidade, o hinglish é o caminho para conseguir isso", disse M.S. Krishnan, professor de tecnologia e operações da Ross School of Business, Universidade de Michigan, nos EUA. "Essa é uma tendência."