PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Momento pode ser ideal para atualizar turbinas eólicas nos EUA

Jim Efstathiou Jr.

23/05/2018 12h22

(Bloomberg) -- Este é um bom momento para modernizar turbinas eólicas nos EUA.

As operadoras de parques eólicos podem conseguir uma taxa de retorno de 11 por cento substituindo nacelles, cubos ou rotores neste ano, mesmo após a redução de um importante incentivo fiscal federal em relação ao ano passado, segundo relatório publicado nesta quarta-feira pela empresa de consultoria ICF.

Mas esse cenário ideal pode durar pouco devido à nova redução do crédito fiscal de produção no ano que vem, antes de sua completa eliminação em 2020. As operadoras estão atualizando e reformando turbinas mais antigas e recorrendo a novas tecnologias, como a inteligência artificial e uma melhor previsão do tempo, para extrair mais energia do vento.

"Existe um incentivo para fazê-lo agora", disse Chris Mertes, gerente da ICF e coautor do relatório. "Do ponto de vista financeiro, pode fazer mais sentido neste ano do que no ano que vem ou no seguinte."

A repotenciação -- jargão do setor para a substituição ou reforma de turbinas antigas -- adicionou 7 megawatts de capacidade nos EUA no ano passado, segundo a ICF. O total pode aumentar para 300 megawatts até 2022, segundo a Bloomberg New Energy Finance.

As melhores candidatas para repotenciação são as máquinas de 1,5 megawatt em torres de 80 metros instaladas entre 2003 e 2010, segundo a ICF. Há cerca de 15 gigawatts em capacidade nessa categoria. Turbinas com custos elevados de manutenção, falhas em série ou problemas regulares de desempenho são candidatas à atualização.

Mertes calculou a taxa de retorno potencial modelando fluxos de caixa de projetos com e sem modernizações. Os retornos reais dependerão de fatores como a quantidade de energia produzida por turbina e os preços pagos por essa energia.

A repotenciação decolou depois que o Serviço Interno de Receita dos EUA expandiu em 2016 o conjunto de projetos qualificados para incentivo fiscal. Antes disso, a atualização "não valeria o investimento com tanta frequência", disse Amy Grace, analista da Bloomberg New Energy Finance em Nova York.

Os projetos que se qualificam neste ano podem recapturar 60 por cento do crédito fiscal de produção por 10 anos. A fatia cai para 40 por cento em 2019, antes do fim do crédito. Os operadores de parques eólicos têm quatro anos para concluir o projeto para se qualificarem ao crédito fiscal.

"Com o benefício adicional de receber 10 anos adicionais de crédito fiscal para produção, a economia começa a parecer boa", disse Grace.