IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Alta de diesel pode estimular exportações de óleo de palma

Anuradha Raghu

16/07/2018 14h51

(Bloomberg) -- A diferença crescente entre o óleo de palma e os produtos convencionais de óleo feitos de petróleo bruto está tornando o biocombustível feito com óleo de palma mais atraente, o que ajuda a aumentar as exportações da Indonésia e da Malásia, os maiores produtores do mundo.

O desconto do óleo de palma em relação ao gasóleo, outro nome para o diesel, chegou a US$ 124 por tonelada na sexta-feira, a maior diferença desde outubro de 2014, e era de US$ 107 nesta segunda-feira, segundo dados compilados pela Bloomberg. O número se compara com um prêmio médio de cerca de US$ 134 por tonelada em 2017.

O aumento da demanda por biodiesel será um alívio para os produtores de óleo de palma, que enfrentam os preços mais baixos em quase três anos porque os traders projetam uma oferta maior e um enfraquecimento da demanda pelo óleo comestível. Uma mistura maior do biodiesel ajudará a consumir estoques e sustentar os preços, que caíram 13 por cento neste ano.

"Se o diferencial entre o óleo de palma e o gasóleo persistir ou melhorar, a Malásia poderia exportar cerca de 380.000 toneladas de biodiesel neste ano", disse Unnikrishnan Unnithan, presidente da Associação Malaia de Biodiesel, em entrevista por telefone de Kuala Lumpur.

Normalmente, os produtores levam em conta o desconto do óleo de palma em relação ao gasóleo para decidir quanto transformar em biodiesel, uma alternativa menos poluente aos combustíveis fósseis. Embora não exista um patamar exato de preços ótimos, um desconto de US$ 100 por tonelada em relação ao gasóleo significa que os custos variáveis estão cobertos e que os produtores tentarão exportar, segundo Unnithan.

A Malásia exportou 235.291 toneladas no ano passado, segundo dados do Conselho Malaio do Óleo de Palma. As exportações aumentaram de 135.049 toneladas no primeiro semestre do ano passado para 199.758 toneladas no primeiro semestre deste ano.

As exportações de biodiesel da Indonésia cresceram "muito mais" que as da Malásia graças a uma vantagem com um imposto de exportação, segundo Unnithan.

Contudo, embora a demanda por biodiesel tenha aumentado, isso ainda não se refletiu nos preços do óleo de palma. Os preços continuam sendo reprimidos pela crescente produção, pela fraca demanda global e pelo receio de que as tensões comerciais entre os EUA e a China, que têm abalado os preços das commodities em todo o mundo, se intensifiquem.

"Apesar da pequena alta nas exportações de biodiesel, a confiança no óleo de palma está muito fraca", disse Unnithan, que acrescentou que talvez esteja na hora de a Malásia impor um maior uso de biodiesel em seu mix de combustível.

O contrato de óleo de palma mais ativo da Bursa Malaysia Derivatives caiu para 2.147 ringgits (US$ 530) por tonelada na sexta-feira, o menor valor desde setembro de 2015. Ele fechou em 2.173 ringgit em Kuala Lumpur nesta segunda-feira.

Economia