PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

SkyBridge não vê muito alívio para ouro com ajuste do Fed

Ranjeetha Pakiam

20/08/2018 16h10

(Bloomberg) -- A próxima grande oportunidade de compra de ouro pode surgir quando o Federal Reserve passar a adotar uma política monetária mais relaxada após o ciclo de ajuste atual, de acordo com a SkyBridge Capital.

"Quando o Fed estiver flexibilizando e a QE4 parecer cada vez mais provável, esse será o momento em que o ouro terá a melhor chance de superar novamente muitas outras classes de ativos globais", disse Troy Gayeski, gerente sênior de portfólio da empresa, que administra US$ 9,8 bilhões, referindo-se a mais uma rodada de flexibilização quantitativa (QE, nasigla em inglês). "Mas estamos muito longe disso."

A queda forte do ouro e o êxodo de fundos negociados em bolsa colocaram em dúvida seu tradicional papel de refúgio. Em seu lugar, o dólar reinou supremo como um refúgio em meio a tensões comerciais, flutuações das ações dos EUA, turbulências nos mercados emergentes e à crise financeira turca. O ouro caiu para o menor valor registrado desde janeiro de 2017 na semana passada, enquanto o dólar atingiu o maior valor em 14 meses. O metal precioso foi negociado a US$ 1.186,18 a onça nesta segunda-feira.

Apesar dos temores de contágio da crise turca, as probabilidades de que o Fed eleve o juro em setembro permaneceram inalteradas em relação à semana passada, a 90 por cento, de acordo com os preços dos futuros de fundos federais na sexta-feira. Estima-se que a probabilidade de outro aumento em dezembro seja de cerca de 55 por cento.

Houve ocasiões em que o Fed fez uma pausa devido à turbulência global. Em 1998, por exemplo, o então presidente do banco central dos EUA, Alan Greenspan, levou o comitê a reduzir o juro três vezes para compensar os efeitos da disseminação da turbulência financeira. Ele alertou durante aquele período que "simplesmente não era crível" que os EUA permanecessem "um oásis de prosperidade".

Autoridades do Fed, incluindo o atual presidente Jerome Powell, há muito tempo defendem que a melhor maneira de ajudar a estabilidade financeira global é manter o crescimento dos EUA nos trilhos. Também houve uma comunicação clara sobre o direcionamento da política para evitar que se repita o "taper tantrum" (a volatilidade no mercado causada pelo medo de dificuldades de liquidez) de 2013, quando Ben Bernanke, que foi presidente de 2006 a 2014, sinalizou o fim da flexibilização quantitativa.

Jackson Hole

"Um dos principais pontos que os investidores precisam entender agora é que Powell não é Greenspan, Powell não é Bernanke", disse Gayeski, em entrevista por telefone, de Nova York, no dia 16 de agosto. "Ele tem sido claro e tem dito publicamente que eles não vão reagir exageradamente a deslocamentos de curto prazo do mercado e mudar de rumo."

"Parte do motivo pelo qual o ouro está tendo dificuldades é o reconhecimento de que o Fed não vai oferecer instintivamente uma opção de Bernanke ou de Greenspan aos mercados quando houver deslocamentos, como estamos vendo agora nos mercados emergentes", acrescentou.

Uma visão mais aprofundada sobre o caminho de ajuste do Fed poderia ser obtida quando Powell discursar no simpósio anual em Jackson Hole, Wyoming, no final desta semana. O assunto de seu discurso é oportuno: política monetária em uma economia em constante mudança.

A SkyBridge Capital não tem exposição ao ouro. "Nós não teremos enquanto o Fed não começar a mudar a política", disse Gayeski.