PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Mistério ameaça indústria bilionária da carne suína da China

Jason Gale e Siraphob Thanthong-Knight

18/09/2018 12h48

(Bloomberg) -- Seis semanas após o surgimento da peste suína africana na China, os cientistas estão correndo para identificar como o vírus mortal entrou no maior mercado de carne suína do mundo e se espalhou por fazendas a centenas de quilômetros de distância entre si.

Encontrar respostas é fundamental para impedir uma maior propagação internacional da doença suína considerada a mais perigosa por pesquisadores russos. O vírus foi reportado em sete províncias chinesas desde 1o de agosto, causando a morte de cerca de 40.000 suínos e ameaçando perturbar um setor de US$ 128 bilhões. A doença também ampliou seu domínio sobre a Europa, onde foram registrados os primeiros casos na Bélgica em 13 de setembro.

Sem vacina para proteger os animais, os pesquisadores afirmam que o vírus letal -- capaz de sobreviver por mais de um ano em um presunto curado -- provavelmente se espalhará rapidamente entre os 433 milhões de porcos da China e chegará a outros países, possivelmente até mesmo aos EUA.

"O que estamos vendo por enquanto é apenas a ponta do iceberg", disse Juan Lubroth, diretor veterinário da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em Roma, após reunião de emergência de três dias em Bangkok, neste mês. A doença "quase certamente" aparecerá em outros países, disse.

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências Médicas Militares, em Changchun, disseram que o patógeno suíno das fazendas locais se equipara a uma cepa altamente virulenta que surgiu na antiga república soviética da Geórgia em 2007 e subsequentemente se espalhou pela Rússia e pela Estônia.

Isso os levou a especular que a doença, que não afeta seres humanos, pode ter sido introduzida por meio do comércio de suínos vivos com a Rússia e a União Europeia ou com a importação e o descarte ilegal de produtos contendo carne de porco.

Cerca de 800.000 porcos foram destruídos na Rússia como parte das medidas adotadas para controlar mais de 1.000 surtos separados. Posteriormente, a produção de carne de porco de quintal ou de pequena escala diminuiu quase pela metade, afirmaram pesquisadores do Centro Federal de Pesquisa em Virologia e Microbiologia da Rússia, em abril.

Em 2011, quando cerca de 12.000 porcos foram destruídos, as autoridades estimaram que a doença poderia provocar prejuízo direto de até US$ 267 milhões.

"A luta contra a doença não é um problema de saúde pública, mas uma questão de saúde animal e econômica", afirmou a Agência Federal de Segurança da Cadeia Alimentar da Bélgica, em 13 de setembro, ao anunciar a descoberta de javalis infectados em uma província do sul. "Nos últimos meses, ela se espalhou mais rapidamente e mais para o oeste, afetando países antes não atingidos."

Em relatório de março alertando para a ameaça da peste suína africana para a China, a FAO concluiu que a doença provocaria "consequências devastadoras" para a saúde animal e para a segurança alimentar. Do país, o vírus poderia se espalhar pela Ásia, inclusive pela vizinha península coreana.

--Com a colaboração de Hannah Dormido.

Repórteres da matéria original: Jason Gale em Sidnei, j.gale@bloomberg.net;Siraphob Thanthong-Knight em Bangcoc, rthanthongkn@bloomberg.net

PUBLICIDADE