PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Novo relógio da Apple só pode monitorar batimentos nos EUA

Nate Lanxon

21/09/2018 12h08

(Bloomberg) -- Os consumidores que estão formando fila para comprar o mais novo relógio inteligente da Apple fora dos EUA não sabem ao certo se poderão usar o chamativo recurso de eletrocardiograma.

Apenas clientes americanos estão sendo informados de que o recurso será ativado para eles ainda neste ano. A Apple sequer faz propaganda do recurso em seus websites internacionais, concentrando-se apenas na ferramenta de análise de frequência cardíaca, que já era oferecida pelos modelos anteriores.

Até agora, apenas a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) deu autorização. A confirmação foi enviada à fabricante do iPhone em 11 de setembro -- apenas um dia antes de o CEO da Apple, Tim Cook, subir ao palco na sede da empresa para anunciar o produto.

O processo para obter a aprovação de órgãos internacionais equivalentes à FDA está em andamento, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto. Não há data definida para lançamento global, disse a pessoa, mas o recurso seria ativado com uma atualização de software quando a certificação tiver sido concedida.

Representantes da Agência Europeia de Medicamentos e da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido não responderam aos pedidos de comentário. Uma porta-voz da Apple preferiu não comentar.

O recurso de eletrocardiograma do Apple Watch ajuda o aparelho a detectar fibrilação atrial, uma frequência cardíaca irregular que pode aumentar o risco de derrame, insuficiência cardíaca e outras complicações relacionadas ao coração.

Na quinta-feira, o comissário da FDA, Scott Gottlieb, disse em entrevista que o órgão regulador dos EUA quer tornar mais fácil que outras empresas sigam a liderança da Apple na integração de produtos como o monitor cardíaco do Apple Watch em novos aparelhos de consumo. "A porta está aberta para qualquer fabricante", disse ele.