PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Bilionários

Pessoa mais rica da Arábia Saudita perde 58% da fortuna

Patrimônio do príncipe saudita Alwaleed bin Talal é de US$ 15,2 bilhões - Hamad I Mohammed/REUTERS
Patrimônio do príncipe saudita Alwaleed bin Talal é de US$ 15,2 bilhões Imagem: Hamad I Mohammed/REUTERS

Devon Pendleton

11/10/2018 11h56

(Bloomberg) -- A fortuna da pessoa mais rica da Arábia Saudita, o príncipe Alwaleed bin Talal Al Saud, caiu para US$ 15,2 bilhões, o patamar mais baixo desde que o Bloomberg Billionaires Index começou a acompanhá-lo, em abril de 2012.

O valor de seu portfólio de ações públicas, participações em empresas de capital fechado e imóveis na Arábia Saudita caiu US$ 760 milhões nos três primeiros trimestres do ano, de acordo com um documento enviado por e-mail por seu escritório particular.

O declínio se deveu a "pequenos ajustes" na avaliação de ativos e a alguns descartes, como a venda, no mês passado, de sua participação na companhia norte-americana de transporte particular Lyft para sua empresa de investimentos, a Kingdom Holding.

As pessoas mais ricas do mundo perderam, ao todo, 2% de sua riqueza até agora neste ano, ou US$ 103 bilhões, segundo o índice.

O ativo mais valioso de Alwaleed, uma participação de 95% na Kingdom Holding, perdeu 70% de seu valor desde que registrou um pico recorde em 2014. As ações da empresa caíram mais de 20% após a repentina prisão de Alwaleed em uma operação anticorrupção, em novembro passado, e nunca se recuperaram completamente.

Alwaleed esteve entre dezenas de príncipes, ministros e autoridades que ficaram detidos no Ritz-Carlton. Ele foi libertado depois de 83 dias e disse que havia assinado um "entendimento confirmado" com as autoridades sauditas que o deixou livre para operar com "condições zero".

No início deste mês, a Kingdom Holding anunciou que estava perto de assinar um empréstimo de US$ 1 bilhão, seu primeiro empréstimo desde que Alwaleed foi detido.

O documento mostrou um aumento no valor de sua empresa de mídia, Rotana, após seu investimento em agosto na Deezer, uma empresa de streaming de música com sede em Paris.

Bilionários