PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Bolsonaro quer reavaliar o Mercosul, diz Orléans e Bragança

Samy Adghirni e Rachel Gamarski

17/10/2018 11h23

(Bloomberg) -- (Atualiza com a posição do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, no 8º parágrafo)

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) avalia revisar o funcionamento do Mercosul caso vença a disputa pelo Palácio do Planalto.

Ao contrário da estratégia de Donald Trump para o Nafta, a ideia não é defender e proteger a indústria local, mas expor as empresas a mais concorrência, disseram à Bloomberg News dois assessores do candidato para política externa, entre eles o recém-eleito deputado Luiz Philippe de Orléans e Bragança, do mesmo partido de Bolsonaro.

Uma proposta em discussão é permitir que os países membros tenham mais flexibilidade para negociar acordos comerciais fora do bloco. Outra é reduzir ou eliminar as tarifas externas comuns do grupo como forma de pressionar as empresas a se tornarem mais competitivas.

Assessoria de imprensa de Bolsonaro disse que as propostas são possíveis e serão avaliadas.

"Vamos estar reavaliando essa relação do Mercosul, se está valendo a pena e se a gente vai adotar acordos bilaterais", disse Luiz Philippe de Orléans e Bragança, herdeiro do último imperador brasileiro. "Hoje o Mercosul é um entrave para o livre comércio", afirmou Orléans e Bragança, acrescentando que vê com suspeição os acordos de bloco e que um possível governo Bolsonaro buscaria acordos bilaterais.

O principal assessor econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, vem se reunindo com um grupo de consultores acadêmicos e financeiros para detalhar iniciativas econômicas e de política externa, de acordo com uma terceira pessoa envolvida nas conversas. Guedes, economista liberal formado na Universidade de Chicago, também propõe diminuir o tamanho do estado brasileiro e cortar impostos.

O Mercosul, que inclui a Argentina, o Uruguai e o Paraguai, não conseguiu firmar acordos comerciais significativos e está negociando com a União Européia há mais de uma década. O presidente argentino, Mauricio Macri, também prefere tornar o Mercosul mais ágil e aberto. Macri e Bolsonaro se falaram por telefone na terça-feira, informou a assessoria de imprensa presidencial argentina.

Em entrevista à Bloomberg, o atual ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, disse que o Mercosul já está em fase de mudança na medida em que os países-membros vão derrubando a maior parte das barreiras internas. Mas Aloysio ressaltou que não será fácil implementar uma tarifa externa mais flexível.

"A abertura comercial abrupta é irresponsável e uma temeridade, pois irá agravar o já dramático quadro do desemprego no Brasil", disse a Fiesp em nota.

Em mais um sinal de uma possível reviravolta na política externa, Bolsonaro pretende transferir os poderes de negociação comercial do Ministério das Relações Exteriores para a equipe econômica. A Fazenda também incorporaria o Planejamento e o ministério da Indústria e Comércio, de acordo com o segundo assessor, que pediu para não ser identificado.

Caso o capitão da reserva vença a eleição, romperá relações com o governo socialista da Venezuela, abraçará Israel e provavelmente mudará a embaixada do Brasil para Jerusalém, disse seu filho Eduardo Bolsonaro à Bloomberg News na semana passada.

--Com a colaboração de Patrick Gillespie e David Biller.

PUBLICIDADE