ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Mosaic impulsiona margens no Brasil com vendas premium

Fabiana Batista

31/10/2018 06h51

(Bloomberg) -- A maior produtora de fosfato do mundo está buscando ampliar margens de suas operações no Brasil, indo para o mercado de ponta, em um cenário em que a desvalorização cambial proporciona proteção aos agricultores contra os preços deprimidos das commodities globais.

A Mosaic impulsionou a receita coma agricultura do país este ano, mesmo com o volume de vendas estável, com a oferta de mais fertilizantes premium para produtores que buscam elevar a produtividade, disse Floris Bielders, vice-presidente de vendas da empresa no Brasil.

As vendas de produtos com alta concentração de nitrogênio, fosfato e enxofre saltaram 20% este ano, disse ele. Além da vantagem cambial, os produtores brasileiros de soja também estão se beneficiando, à medida que a China busca alternativas à oleaginosa americana em meio a uma guerra comercial.

"Os agricultores brasileiros, que estão capitalizados após anos de bons preços de grãos, são muito receptivos para testar novos produtos", disse Bielders. Em alguns casos, os fertilizantes premium podem aumentar a produtividade da soja em 10%, disse ele.

Enquanto o mercado total de fertilizantes no Brasil deve aumentar cerca de 4% este ano e 1,5% em 2019, os produtos premium têm espaço para crescer em um ritmo mais rápido, disse ele.

A Mosaic concluiu a compra de ativos de fertilizantes brasileiros da Vale no início deste ano. Ela está se beneficiando de uma queda de 10% do real em relação ao dólar neste ano, o que torna a produção doméstica mais competitiva em relação às importações em um momento de recuperação dos preços internacionais de fertilizantes.

Isso pode ajudar a empresa a fechar a diferença para os rivais mais lucrativos. A última margem bruta reportada da Mosaic, de cerca de 13%, está abaixo da média de cinco anos e menos da metade da média entre os pares acompanhados pela Bloomberg.

A empresa com sede em Plymouth, Minnesota, deve anunciar seus resultados trimestrais em 5 de novembro.

Mais Economia