PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Ovo de galinha criada ao ar livre é novo favorito dos americanos

Lydia Mulvany e Deena Shanker

19/11/2018 12h39

(Bloomberg) -- O padrão para o que é considerado um frango feliz está cada vez mais alto e desencadeia a tendência mais quente do mercado: o ovo de galinhas criadas ao ar livre.

Esses ovos vêm de galinhas que passam a maior parte do tempo ao ar livre, comendo bichos e tomando banhos de terra enquanto também se entregam a suas atividades favoritas, como ciscar e empoleirar-se. É um passo além da criação sem gaiola, um rótulo que os consumidores estão descobrindo que é um pouco menos idílico do que eles imaginavam.

Não faz muito tempo que as demandas dos consumidores por um trato melhor para os animais provocaram o surgimento do ovo de galinhas criadas sem gaiolas. As galinhas passaram dos limites de 170 centímetros quadrados para a imensidão do celeiro, com espaço para andar e estirar as asas - mas raramente, ou nunca, ao ar livre. A criação de animais soltos vai além, permitindo que eles fiquem no exterior, com bastante sol e espaço para se espalhar. Em comparação com a criação sem gaiola, isso é o mesmo que um paraíso para as aves.

"Essas aves ficam atoladas dia a dia em seu próprio estrume, e os seres humanos não entram porque a imagem fere os olhos - esses são os ovos das galinhas criadas sem gaiola", disse Matt O'Hayer, CEO da Vital Farms, que tem sede em Austin, no Texas, e é uma das principais vendedoras de ovos de galinhas criadas ao ar livre nos EUA. "Prefiro uma rodinha de pessoas em um show do que um elevador lotado de gente, mas não deixa de ser uma rodinha em um show."

Vendas em alta

Parece que muitos consumidores concordam. As vendas de ovos de galinhas criadas soltas, que não existiam como ferramenta de marketing há uma década, deram um salto de 32 por cento neste ano até 8 de outubro, de acordo com a Vital Farms, que citou dados da empresa de pesquisa IRI. Ovos caipiras, semelhantes aos ovos de galinhas criadas soltas, exceto que elas têm menos espaço, aumentaram 8,5 por cento. Os ovos de animais criados sem gaiolas subiram 3,9 por cento, e o produto padrão das aves engaioladas subiu 0,3 por cento.

Ao mesmo tempo, as diferenças de preço estão caindo. Ovos de animais soltos costumavam custar US$ 12 por dúzia em supermercados. O aumento da concorrência entre os produtores e a queda dos custos levaram os preços para menos de US$ 5 recentemente em alguns pontos de venda.

Algumas das maiores mudanças da indústria de proteínas nos últimos dez anos vieram do aumento das exigências do consumidor em relação ao bem-estar animal e à sustentabilidade. Os ovos são um microcosmo dessa tendência.

"Os ovos de galinhas criadas sem gaiolas vão ser uma commodity", disse John Brunnquell, presidente da Egg Innovations, a maior produtora de animais criados soltos e ao ar livre, com 1,2 milhão de galinhas. Criadores de animais sem gaiolas cada vez mais eficientes estão reduzindo os custos, e em breve esses ovos "vão dominar o panorama", disse Brunnquell, que fornece para a 365, marca da Whole Foods Market.

Conforme essa mudança ocorre, as demandas por um melhor bem-estar provavelmente continuarão aumentando - é aí que entra o ovo das galinhas criadas ao ar livre.

A maioria dos grandes varejistas já vende ovos caipiras ou de animais criados soltos, e as ofertas estão aumentando, afirmam os produtores.

Repórteres da matéria original: Lydia Mulvany em Chicago, lmulvany2@bloomberg.net;Deena Shanker em New York, dshanker@bloomberg.net