PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Consumidores de nuvem híbrida entram na mira da Amazon

Spencer Soper e Dina Bass

29/11/2018 15h57

(Bloomberg) -- A Amazon permitirá que os clientes coloquem os servidores utilizados nos centros de dados de computação em nuvem da companhia em suas próprias instalações, um esforço para alcançar empresas que desejam armazenar algumas de suas funções tecnológicas na nuvem e manter um controle mais rígido sobre outras.

A iniciativa anunciada na quarta-feira pelo CEO da Amazon Web Services, Andy Jassy, ajuda a fornecer estratégias de nuvem híbrida, desejadas por muitos clientes corporativos maiores em uma área onde a concorrente Microsoft está avançando.

O anúncio da Amazon representa uma mudança contínua para a empresa com sede em Seattle, que antigamente defendia a inclusão de tudo na nuvem pública, e é também uma vantagem para a VMware, empresa que pertence majoritariamente à Dell Technologies e que busca maneiras de continuar crescendo. O hardware da AWS colocado no centro de dados do cliente como parte dessa oferta virá com o software VMware. As duas empresas venderão o novo produto e compartilharão a receita, disse o CEO da VMware, Pat Gelsinger.

"Esta é uma declaração muito importante para o setor como um todo - agora a Amazon vai se tornar um fornecedor de hardware no local", disse Gelsinger.

A AWS anunciou uma série de outras ofertas novas ou atualizadas em sua conferência de computação em nuvem, realizada em Las Vegas, buscando manter sua liderança no mercado de computação baseada na internet.

O Glacier Deep Archive é um serviço de armazenamento de dados que chega em 2019 e custará cerca de um quarto do preço de armazenamento atual da Amazon, disse Jassy.

O Amazon FSx para Windows File Server é um serviço compatível com o Windows que pode ajudar a Amazon a conquistar clientes de computação em nuvem que, caso contrário, poderiam migrar para o Azure, da Microsoft.

Novos serviços para aprendizagem de máquina, um poderoso tipo de software de inteligência artificial. A AWS anunciou o Inferentia, seu primeiro chip para extrair inferências de dados, que estará à venda no próximo ano.

A empresa também revelou um serviço para tornar mais rápido e barato o uso de algoritmos de aprendizagem de máquina na nuvem da Amazon.

O Amazon Managed Blockchain, um novo serviço que pode ser usado para gerenciar pagamentos ponto a ponto, processar empréstimos e ajudar empresas a realizar transações com distribuidores e fornecedores.

A Amazon usa a conferência anual re:Invent para destacar novas ferramentas e recursos, buscando ficar à frente das concorrentes na nuvem Microsoft e Google, da Alphabet. O mercado global de nuvem pública crescerá para US$ 278 bilhões em 2021, acima dos US$ 176 bilhões deste ano, segundo a Gartner.

As vendas da AWS chegarão a US$ 71 bilhões em 2022, o que daria à divisão uma avaliação de cerca de US$ 350 bilhões, segundo Brent Thill, analista da Jefferies.

Repórteres da matéria original: Spencer Soper em Seattle, ssoper@bloomberg.net;Dina Bass em Seattle, dbass2@bloomberg.net