Topo

Amazon fica sem estoque de Echo uma semana antes do Natal

Matt Day

18/12/2018 11h30

(Bloomberg) -- Os consumidores que esperam conseguir um dos alto-falantes inteligentes da Amazon antes do Natal podem ter uma decepção.

Em várias das lojas on-line da gigante do comércio eletrônico na América do Norte e na Europa, anúncios de diversos modelos da linha de aparelhos compatíveis com Alexa estavam temporariamente desativados na segunda-feira, e a entrega havia sido adiada para janeiro ou depois em alguns lugares.

O Echo é o carro-chefe da crescente linha de aparelhos eletrônicos de consumo da Amazon e está em todos os anúncios da empresa durante a temporada de compras de fim de ano.

A companhia afirmou que vendeu "milhões" de aparelhos Echo em todo o mundo durante o fim de semana do feriado de Ação de Graças e Cyber Monday, e informou que o Echo Dot, que tem o formato de um disco de hóquei, foi o produto mais vendido na Amazon durante esse período.

Nos EUA, uma página de venda do Echo Spot mostra disponibilidade a partir de 1º de janeiro. Outros modelos estavam disponíveis para entrega a partir desta semana ou, no caso do Echo Plus, imediatamente. O Echo Dot está indisponível nos países europeus onde a Amazon vende o dispositivo, e as datas de entrega estimadas vão de janeiro no Reino Unido até abril na Alemanha.

Outros varejistas, incluindo Best Buy e Target, tinham aparelhos Echo Dot em estoque para entrega imediato na segunda-feira. A Amazon não comentou imediatamente sobre os atrasos de envio.

A empresa inventou a categoria de alto-falantes ativados por voz com o lançamento de 2014 do Echo, uma elegante coluna de plástico que permite que os usuários escutem música, recebam informações sobre o clima ou notícias e controlem uma série de aparelhos eletrônicos domésticos com acesso à internet.

O Google entrou nesse mercado em 2016 com a linha de alto-falantes inteligentes Home, e 2018 é o primeiro ano em que o HomePod, aparelho da concorrente Apple, estará à venda durante os meses de pico das compras de fim de ano.

Mais Economia