Topo

Argentina quer financiamento de US$ 200 mi do BID para rodovias

Carolina Millan e Jorgelina do Rosario

21/01/2019 15h05

(Bloomberg) -- A Argentina está em negociações avançadas para receber US$ 200 milhões em financiamento do braço de investimentos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para levar adiante um ambicioso projeto de construção de rodovias.

O país recebeu "um forte compromisso" do banco multilateral e espera finalizar os detalhes nas próximas semanas, disse o ministro dos Transportes, Guillermo Dietrich, em entrevista na sede da Bloomberg, em Nova York. Os recursos serão depositados em um fundo administrado pelo banco de desenvolvimento do país para financiar as primeiras etapas dos projetos rodoviários.

O BID Invest não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O presidente Mauricio Macri prometeu grandes melhorias para a infraestrutura da Argentina usando parcerias público-privadas para modernizar o país em meio aos preparativos para as eleições de outubro. Mas a desvalorização de 50 por cento do peso no último ano e as elevadas taxas de juros têm dificultado a tarefa das empresas de encontrar financiamento e diminuído o ritmo de alguns projetos.

As empresas que obtiveram contratos para a primeira série de seis projetos rodoviários originalmente tinham apenas um ano para garantir o financiamento, mas receberam uma extensão até 2020, segundo Manuela López Menendez, secretária de obras públicas do país. Embora o prazo exato ainda não tenha sido determinado, provavelmente será no primeiro semestre do ano que vem, acrescentou ela.

Dietrich e Menendez participaram de uma delegação argentina que viajou a Nova York e Washington na semana passada para se reunir com representantes do Banco Mundial, da Corporação para Investimentos Privados Internacionais (Opic, na sigla em inglês) e do BID. Dietrich, que também participou de um café da manhã com investidores, incluindo Goldman Sachs e JPMorgan Chase, afirma ter visto uma mudança significativa no sentimento dos investidores em relação ao país.

"Em outubro, passamos o tempo todo explicando os problemas de curto prazo e nossa confiança de que estávamos dando os passos certos", disse. "Agora as conversas se concentram nas eleições e na continuidade de nosso plano. Estamos impressionados com as boas vibrações que estamos recebendo de órgãos multilaterais, bancos e instituições."

Saiba o que vem pela frente nos planos do governo:

Há um projeto ferroviário no norte da Patagônia, ligando os campos de xisto de Vaca Muerta ao porto de Bahía Blanca. O governo conversa com empresas para vender os direitos de transporte de areia para uso no fraturamento hidráulico (fracking). As autoridades pretendem concluir o projeto até maio e, posteriormente, iniciar um processo de licitação.

Será realizado também, ainda neste ano, um leilão de linhas de transmissão de energia.

Há ainda um projeto para estender três linhas de trem e construir uma estação de conexão na cidade de Buenos Aires (Red de Expresos Regionales). Autoridades do governo receberam manifestação de interesse do Banco Mundial, que poderia se envolver em parte do financiamento e viajará para a Argentina em março para examinar o projeto mais de perto.

Repórteres da matéria original: Carolina Millan em Buenos Aires, cmillanronch@bloomberg.net;Jorgelina do Rosario em Buenos Aires, jdorosario@bloomberg.net

Mais Economia