PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Mercado de cobalto foi vítima do fascínio por carros elétricos

Mark Burton

01/03/2019 11h26

(Bloomberg) -- Os preços do cobalto estavam subindo tanto no ano passado que ladrões realizavam assaltos complexos nos armazéns do porto mais movimentado da Europa. Agora, os preços estão em queda livre e as mineradoras sofrem o impacto financeiro.

O que aconteceu foi um caso clássico de disparada seguida de queda, comum entre as commodities. No caso do cobalto, o motor foi a visão de Elon Musk de que os carros elétricos ganhariam apelo popular e a consequente enxurrada de capital que apostou que o mundo precisaria de muito mais cobalto, componente fundamental das baterias de íon de lítio.

Aumentou o fascínio a visão amplamente aceita de que a oferta de cobalto é restrita. Geologicamente falando, o metal não é raro, mas é quase exclusivamente produzido como subproduto da produção de cobre e níquel. A ideia de que uma oferta maior de cobalto dependia de que esses metais tivessem preços mais altos acabou sendo um mito.

Em vez disso, a disparada dos preços do cobalto provocou uma explosão na oferta da República Democrática do Congo. Os preços caíram mais de 60 por cento em relação ao pico de abril de 2018, para US$ 15,88 a libra, segundo a Fastmarkets.

Explosão da oferta

A Glencore, maior produtora de cobalto, ampliou essa liderança em 2018 com uma grande expansão de suas minas do Congo. As mineradoras chinesas também ampliaram a produção para alimentar a demanda crescente das fabricantes de baterias.

Corrida do cobalto

Os preços recorde também desencadearam uma corrida do ouro dos tempos modernos no Congo. Milhares de garimpeiros correram para explorar depósitos minerais ricos em cobalto, muitas vezes trabalhando ilegalmente em minas improvisadas e perigosas nas quais o minério é extraído à mão. A oferta desses garimpeiros mais do que dobrou de 2016 a 2018, segundo a trading Darton Commodities.

Construção de inventário

A Glencore está acumulando grandes estoques na mina de Kamoto e nos armazéns da África do Sul depois que suspendeu as vendas da mina após a descoberta de minério radioativo.

Os baixos preços do cobalto também prejudicam a Glencore financeiramente. A empresa não cumpriu as estimativas dos analistas no último balanço de resultados.

Recuperação à vista?

Apesar da depressão atual no mercado de cobalto, ainda há muito otimismo em relação ao futuro. As montadoras continuam planejando lançar modelos de carros elétricos e a Glencore poderia começar a eliminar o atraso do cobalto em 2020, quando as vendas de carros devem começar a aumentar.

O Citigroup prevê que o cobalto subirá 16 por cento neste ano, porque a paralisação da mina Katanga efetivamente deixará o mercado em déficit. O chefe da Glencore, Ivan Glasenberg, descreveu o fraco desempenho do cobalto em 2018 como uma queda passageira e disse que os preços provavelmente estão se aproximando do ponto mais baixo.