PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Amazon deve lançar anúncios para dispositivos móveis: Fontes

Spencer Soper

21/03/2019 13h19

(Bloomberg) -- A Amazon encontrou um novo jeito de ficar com uma fatia do mercado de anúncios digitais, que movimenta US$ 129 bilhões e hoje é dominado por Google e Facebook: vender propagandas em vídeo no aplicativo de compras para smartphone da gigante do comércio eletrônico.

A Amazon vem realizando testes beta dos anúncios na plataforma iOS, da Apple, há vários meses, segundo pessoas a par do plano. Um produto similar para a plataforma Android, do Google, está planejado para este ano, disseram as pessoas, que pediram anonimato por não estarem autorizadas a divulgar essa informação publicamente.

Os anúncios em vídeos de curta duração aparecem como resposta a resultados de pesquisas no aplicativo de compras, um espaço valioso para anunciantes, porque quem busca produtos no aplicativo está mais propenso a comprar do que quem entra no Facebook ou assiste a vídeos no YouTube, do Google.

Agora a Amazon surge como uma rival de rápido crescimento no mercado de anúncios digitais, porque a empresa capta 50 por cento das vendas on-line nos EUA. A participação da empresa no mercado de anúncios digitais aumentará de 6,8 por cento em 2018 para 8,8 por cento neste ano, segundo a eMarketer. O Google, líder do mercado, registrará uma queda em sua participação, de 38,2 por cento para 37,2 por cento.

A Amazon, por meio de uma porta-voz, preferiu não comentar. Um porta-voz do Google não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Durante anos, a Amazon evitou vender espaço para anúncios em seu site pelo receio de perturbar a experiência de compra. Em vez disso, a empresa usava preços, descrições de produtos e resenhas dos consumidores para determinar quais produtos destacar na página. O site está se tornando uma plataforma de anúncios pagos, cujo extremo superior é dedicado a quem pagar mais, uma mudança que ajudou a aumentar os lucros da Amazon.

A Amazon começou a vender mais conteúdo de vídeo ligado a produtos no site há dois anos, para evitar que os compradores a trocassem pelo YouTube e pelo Instagram para assistir a vídeos de demonstração e declarações de influencers ausentes na Amazon. Muitos desses vídeos publicados em outras plataformas contêm links para sites, fora da Amazon, onde os compradores podem adquirir produtos. A falta de conteúdo de vídeo na Amazon revelou uma fraqueza no engajamento do comprador e na descoberta de produtos que outros sites estavam fazendo melhor.

A venda de propagandas em vídeo para aplicativos de smartphone amplia um produto desenvolvido pela Amazon para seus próprios dispositivos, como o aparelho de streaming Fire TV e os leitores de livros eletrônicos Kindle, para dispositivos que não são da Amazon, como os smartphones Apple, que um número maior de pessoas usa para fazer compras, disse Collin Colburn, analista da Forrester Research.

"Eles lançam essas experiências aos poucos, para ver se elas atrapalham a experiência do comprador e se é algo que os anunciantes desejam", disse ele. "Isso cria um novo formato e mais um modo de vender espaço na plataforma."