PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Goldman: BC dos EUA perdeu vantagem na hora de fazer previsões

Joanna Ossinger

22/04/2019 13h16

(Bloomberg) -- Os ativos de risco andam reagindo com maior intensidade aos choques do banco central dos EUA no sentido de apertar a política monetária nos últimos anos, segundo o Goldman Sachs Group. Ironicamente, o motivo é que o Federal Reserve está perdendo a vantagem em se tratando de previsões.

Na hora de fazer projeções, a vantagem relativa do Fed sobre a de economistas do setor privado diminuiu nos últimos anos porque a maior qualidade e quantidade de profissionais impede que a equipe do banco central supere a "sabedoria da multidão", escreveram economistas do Goldman em nota divulgada em 20 de abril. Assim, após choques de aperto monetário ? como uma inesperada elevação nos juros ou sinalização de aumento dos juros ?, os mercados tendem a reagir mais negativamente e as previsões do consenso para o crescimento econômico são reduzidas, de acordo com o texto.

Os economistas do Goldman, incluindo Jan Hatzius e David Choi, concluíram que os chamados "efeitos de informação" (ou reações causadas porque o Fed provavelmente tem entendimentos que outros não têm) praticamente desapareceram.

"O declínio dos efeitos de informação é talvez uma razão adicional para os mercados financeiros parecerem mais reativos a medidas do Fed no período recente", afirmaram os economistas. "Na falta de grandes efeitos de informação, o mercado acionário deve reagir mais negativamente a choques de aperto monetário. Encontramos forte evidência disso."

O tom do Fed mudou significativamente nos últimos meses. A instituição adotou uma postura mais branda após um aumento de juros em dezembro que contribuiu para o tombo dos mercados. Meses depois, representantes do banco central foram além e expressaram preocupação com os dados econômicos. Em março, as previsões do banco central para a taxa de juros alimentaram o temor de recessão nos EUA e o rendimento do título do Tesouro com prazo de 10 anos caiu, embora tenha voltado para perto do patamar observado antes daquela reunião do Fed. Não está claro se os juros vão subir ou descer daqui para frente, mas é provável que a exigência para tomar qualquer decisão será enorme.

"A conclusão principal a partir das últimas decisões do Fed é que a política monetária será mais branda e favorável ao crescimento, não que o Fed tenha sugerido algo negativo que os participantes do mercado atualmente não saibam" sobre a perspectiva econômica, afirmou o relatório.

--Com a colaboração de Rita Nazareth.