PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Boeing planeja retorno gradual de voos com 737 Max, diz CEO

Julie Johnsson e Anurag Kotoky

29/05/2019 14h55

(Bloomberg) -- A Boeing começou a mapear cuidadosamente as etapas para facilitar o retorno do jato 737 Max às operações comerciais, assim que os reguladores suspenderem a restrição global de voos com seu modelo mais vendido.

A fabricante de aviões, com sede em Chicago, está planejando o retorno do 737 Max com as companhias aéreas em uma série de reuniões realizadas em várias cidades do mundo, de Miami a Moscou, disse o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, durante a Conferência Bernstein de Decisões Estratégicas na quarta-feira.

Mas o presidente de uma associação global de companhias aéreas fez uma avaliação cautelosa sobre quando as autoridades do setor de aviação dariam o sinal verde para a retomada dos voos com o 737 Max. Não há expectativa de que os voos sejam retomados por pelo menos 10 a 12 semanas, disse Alexandre de Juniac, presidente da Associação Internacional de Transportes Aéreos em teleconferência com repórteres.

"Estamos preparando uma reunião entre reguladores, a fabricante de aviões e operadores para fazer uma avaliação da situação", disse De Juniac. "Mas isso não está nas nossas mãos. Está nas mãos dos reguladores. "

Muilenburg enfrenta uma das piores crises nos 103 anos de história da Boeing com a suspensão dos voos com o 737 Max, a maior fonte de lucro da empresa, após dois acidentes que mataram 346 pessoas no total.

O CEO da Boeing descreveu um cronograma "disciplinado" que começaria com as equipes da Boeing ajudando a deslocar os quase 500 jatos 737 parados. Esse total inclui cerca de 100 jatos Max recém-fabricados que não podem ser entregues até que os voos sejam novamente autorizados. Os aviões estão estacionados nos arredores de Seattle e em um centro de manutenção da Boeing em San Antonio, no Texas. A fabricante de aviões tem dois outros locais que podem ser usados, se necessário, disse Muilenburg.

A Boeing não planeja aumentar o ritmo de produção em sua principal fábrica do 737 - nem republicar as estimativas do balanço - até que fique claro que sua rede de fornecedores está saudável e se movendo em sincronia, disse Muilenburg. A Boeing suspendeu a divulgação de estimativas e recompras de ações quando os reguladores suspenderam os voos comerciais em março.

A fabricante de aviões tem tentado tranquilizar os passageiros, pilotos e reguladores de suas proezas de engenharia e compromisso com segurança depois que um obscuro sistema de software, chamado MCAS, foi relacionado aos dois acidentes. A empresa também enfrenta uma investigação criminal e inquéritos civis do Congresso dos EUA e da SEC sobre seu papel nos acidentes e relações com os reguladores federais.

Repórteres da matéria original: Julie Johnsson em Chicago, jjohnsson@bloomberg.net;Anurag Kotoky em Nova Delhi, akotoky@bloomberg.net