IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Paul Tudor Jones aposta em corte de juros e alta das ações

Hema Parmar

12/06/2019 14h56

(Bloomberg) -- O bilionário Paul Tudor Jones disse que os investidores devem comprar ações diante da probabilidade de novas altas dos mercados e de um corte das taxas de juros.

"Devemos ser estar comprados em ações agora", disse em entrevista à rádio Bloomberg na quarta-feira.

A batalha das tarifas iniciada pelo presidente Donald Trump com a China aumenta as chances de uma redução do juro pelo Federal Reserve, preparando o terreno para as novas apostas. Em seu livro de estratégias, a recomendação é estar comprado em contratos de juros, ouro e "em algum momento vendido em dólar", disse Jones em outra entrevista na terça-feira. O ouro é sua escolha favorita nos próximos 12 a 24 meses. Se chegar a US$ 1.400, rapidamente deve subir para US$ 1.700, disse. Agora, a onça é negociada em cerca de US$ 1.334.

Jones disse que o Fed está "provavelmente perto do primeiro corte de taxa após um longo ciclo de aumentos".

Como muitos traders, Jones se prepara para um forte, mas curto ciclo de redução dos juros. Jones, de 64 anos, que comanda a Tudor Investment, disse em junho do ano passado que as taxas podiam subir "significativamente" até o fim de 2018. O banco central então aumentou o juro básico três vezes até dezembro, cada aumento de 25 pontos-base.

"Não acho que teríamos um primeiro corte em 2019", disse Jones antes de um evento em Nova York patrocinado por sua organização sem fins lucrativos, a JUST Capital. "Não acho que teríamos isso se não tivéssemos entrado nessa batalha tarifária, e isso acelerou tudo."

Sobre os planos de Donald Trump de impor tarifas para outros US$ 300 bilhões em produtos importados da China, Jones disse que a medida será "muito importante para determinar se esse é o ponto de inflexão para nos levar a uma recessão", acrescentando que os EUA estão revertendo 75 anos de expansão da globalização e do comércio. "Acho que terá um maior impacto economicamente do que o mercado imagina."

--Com a colaboração de Jonathan Ferro e Vonnie Quinn.

Mais Economia