PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Ex-professor de 37 anos é o mais novo bilionário da Índia

Saritha Rai

29/07/2019 08h10

(Bloomberg) -- O mais novo bilionário da Índia é um ex-professor que desenvolveu um aplicativo de educação cujo valuation subiu para quase US$ 6 bilhões em cerca de sete anos.

Byju Raveendran entrou para o exclusivo clube depois que sua empresa, a Think & Learn, levantou US$ 150 milhões em financiamento no início do mês. A operação conferiu um valuation de US$ 5,7 bilhões à empresa, na qual o fundador possui uma participação superior a 21%, disseram pessoas a par do assunto. A captação também coincide com o anúncio de que o aplicativo da empresa, o Byju - mesmo nome do fundador -, fechou uma parceria com a Walt Disney para levar o serviço aos Estados Unidos no início de 2020.

O empresário de 37 anos - que, nas palavras do fundador, quer fazer pela educação na Índia o que o Clube do Mickey fez pelo entretenimento - está dando seu maior passo geograficamente e criativamente. No novo aplicativo da empresa, personagens da Disney como Simba, do Rei Leão, ou Anna, de Frozen, ensinam matemática e inglês para alunos entre 1ª e 3ª séries. Os mesmos personagens estrelam vídeos animados, jogos, histórias e testes interativos.

A Índia passa por um intenso período de criação - e destruição - de riqueza. Uma nova geração de empreendedores se une às fileiras dos ricos, ajudando a população ultra-rica do país a crescer no ritmo mais rápido do mundo. Raveendran, pelo menos no papel, assume seu lugar entre os novos ricos graças à sua iniciativa em educação pela Internet.

O aprendizado on-line está em expansão, talvez em nenhum outro lugar como no país de Byju, onde o uso da Internet dispara devido à onipresença dos smartphones baratos e dos planos de dados móveis de preço reduzido. As estimativas apontam que o mercado de ensino on-line da Índia deve mais do que dobrar, para US$ 5,7 bilhões até 2020, segundo a India Brand Equity Foundation, financiada pelo governo.

O desempenho do aplicativo Byju acompanha o mercado. As receitas devem dobrar para 30 bilhões de rupias (US$ 435 milhões) no ano que termina em março de 2020, disse Raveendran. Esse ritmo de crescimento já chamou a atenção de alguns dos maiores investidores do setor, como Naspers Ventures, Tencent Holdings, Sequoia Capital, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, e de sua esposa, Priscilla Chan.