PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Gigantes de petróleo se preparam para defender gás em Nova York

Kevin Crowley

23/09/2019 13h37

(Bloomberg) -- Defendido pelas gigantes de petróleo como a maneira mais rápida de reduzir as emissões e criticado por ambientalistas, segundo os quais o mundo precisa abandonar todos os combustíveis fósseis, o debate sobre o gás natural pode ser um dos aspectos polêmicos das mudanças climáticas.

Os argumentos serão debatidos por políticos, ativistas e líderes empresariais reunidos na Semana do Clima em Nova York. Na segunda-feira, os CEOs das maiores petroleiras do mundo participam de um evento organizado pela Iniciativa Climática de Petróleo e Gás, onde devem defender a ideia de que o gás é essencial para um futuro de baixo carbono.

Conheça seis argumentos sobre o uso do gás, começando com os pontos a favor do combustível:

1. O gás está eliminando o carvão

Quando queimado de maneira limpa, o gás libera cerca da metade do carbono que o carvão. O gás registrou um avanço no mercado de energia dos Estados Unidos na última década.

2. O gás ajuda a reduzir emissões

A geração de eletricidade mais limpa significa que a economia dos EUA ainda pode crescer e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, que registraram uma tendência entre estável e de queda na última década.

3. O gás será acessível a longo prazo

Graças ao fraturamento hidráulico, que libera combustíveis fósseis de rochas de xisto até então impermeáveis, o gás dos EUA é tão abundante que os produtores não conseguem encontrar demanda doméstica suficiente e correm para exportar. Isso significa que os preços locais são baratos e parece que continuarão assim.

Estes são os argumentos contra:

1. O gás significa que o carbono é inevitável

Embora o dióxido de carbono emitido pela energia a gás seja menor que o do carvão, depender do gás como combustível significa que essas emissões não chegarão a zero no futuro próximo. De fato, à medida que os EUA se tornam cada vez mais dependentes de gás, as emissões do combustível aumentam em termos absolutos, ultrapassando as do carvão.

2. O gás está sendo desperdiçado

O excesso de gás dos poços de petróleo é queimado, liberando dióxido de carbono. A quantidade de gás desperdiçada aumentou nos EUA devido ao boom do fraturamento, já que a capacidade dos oleodutos não pode acompanhar o ritmo.

3. Vazamentos de gás

Outro problema é o vazamento de gás dos dutos e unidades de processamento na atmosfera. O metano é 84 vezes mais eficiente na retenção de calor do que o dióxido de carbono por um período de 20 anos. É o "calcanhar de Aquiles" da indústria do gás, de acordo com Susan Dio, presidente da divisão dos EUA da BP. Houve um aumento substancial nos níveis globais de metano nos últimos 10 anos, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica. A Universidade de Cornell publicou um estudo em agosto que identificou que as emissões extras vieram do fraturamento na América do Norte.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net